Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

BAD financia fase III de reabilitação do Corredor de Nacala

O Banco africano de Desenvolvimento (BAD) disponibilizou cerca de 50 milhões de dólares norte-americanos para a construção de infra-estruturas a altura dos novos desafios comerciais do Norte de Moçambique.

O Vice-Ministro da Justiça, Alberto Nkutumula, disse, Terça-feira ultima, na qualidade de porta-voz do Conselho de Ministros, que o valor foi disponibilizado a título de crédito para financiar a terceira fase do projecto de reabilitação do Corredor de Nacala.

Este valor, disponibilizado através do Fundo africano de Desenvolvimento (FAD), inclui a construção da estrada Cuamba/Lichinga cujas obras deverão iniciar em 2014.

Na sessão do Conselho de Ministros, o Governo aprovou a resolução que ratifica o acordo de crédito celebrado a 15 de Março com o FAD e outra que aprova o donativo na ordem de 230 mil dólares para a realização de estudos de viabilidade da mesma obra.

A concessão destes financiamentos vai permitir, em primeiro lugar, a contratação de um consultor para a elaboração dos projectos de reabilitação do corredor e posterior lançamento de um concurso público para a selecção do empreiteiro a quem será adjudicada a obra.

A previsão é de que estes processos decorram de forma eficiente para permitir que as obras arranquem no fim da próxima época chuvosa em 2014.

Segundo Nkutumula, o financiamento constitui um passo fundamental para a consolidação da ligação rodoviária entre as províncias de Nampula e Niassa e também para o ‘hinterland’ (Zâmbia e Malawi), garantindo transitabilidade durante todas as épocas do ano.

Porque as obras da primeira fase do projecto do “Corredor de Nacala”, no troço Cuamba-Nampula estão bastante avançadas, pretende-se concluir, num futuro breve, a ligação à cidade de Lichinga, no Niassa.

“Espera-se que a conclusão das obras traga benefícios inestimáveis à economia da região, em geral, e do país, em particular, através da melhoria da transitabilidade, aumento das actividades económicas e sociais bem como pela criação de mais empregos”, disse Nkutumula.

Assim, segundo o porta-voz do Governo, a província do Niassa e os países do ‘hinterland’ vão beneficiar de um acesso mais rápido ao Porto de Nacala, incrementando a integração regional e alargando o comércio internacional.

O entendimento do Governo é de que as infra-estruturas fazem parte da rede viária da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), daí a necessidade da sua reabilitação com vista a flexibilizar a integração regional e facilitar a livre circulação de pessoas e bens.

A Zâmbia está interessada em expandir o uso dos portos marítimos moçambicanos e, para o efeito, perspectiva a construção de linhas férreas e outras infra-estruturas para explorar o potencial de que Moçambique dispõe com vista a reduzir os custos na importação e exportação de bens.

Nacala possui importância considerável para o sudeste africano, uma vez que vai viabilizar o transporte eficiente da produção de fosfato, carvão, cobre e produtos agrícolas de Moçambique, Malawi e Zâmbia, ajudando a transformar a riqueza de recursos naturais em prosperidade económica para as sociedades desses países.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!