Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Malangatana a caminho da sua última morada, em Matalana

Malangatana a caminho da sua última morada

O corpo do artista Malangatana, falecido há seis dias, chegou na manhã desta quarta-feira ao aeroporto de Mavalane, em Maputo.  Acompanhavam a urna os familiares do pintor falecido aos 74 anos, no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, vítima de doença prolongada.

Malangatana recebeu honras militares, ainda no aeroporto de Mavalane, onde estiveram presentes familiares, amigos e alguns membros do governo moçambicano.

A urna com o corpo de Malangatana seguiu depois para a casa onde o artista vivia em Maputo, no bairro do Aeroporto, onde decorreu uma cerimónia restrita.

{youtube}lQUP3v3z_Oc{/youtube}

Ainda na manhã desta quarta-feira a urna foi levada para o edifício do Conselho Municipal, onde Malangatana está a ser homenageado pelos moçambicanos. Dois livros de condolências estão a disposição dos cidadãos que se deslocaram ao local para prestar a última homenagem ao Mestre.

{youtube}4cmjSduCB8c{/youtube}

O velório nos Paços do Município de Maputo irá decorrer até às 17 horas devendo depois o corpo ser levado para Matalana, a sua terra natal, a cerca de 40 quilómetros de Maputo. Familiares, amigos e população no geral aguardam a chegada da urna em Matalana onde o velório deverá continuar ao longo de todo o dia de quinta-feira vão decorrer no local homenagens ao pintor, quer com danças e cantares quer com poemas e outras formas de expressão artística.

Na manhã de sexta-feira será realizado o enterro, com honras de Estado e com a presença do Presidente de Moçambique, Armando Guebuza.

Malangatana Valente Ngwenya, nascido a 06 de junho de 1936, em Matalana, Maputo, fez do português a língua da sua criação artística, salientou na altura o embaixador de Moçambique em Lisboa Miguel Costa Mkaima. Como pintor, o artista moçambicano cuja arte se estendeu à cerâmica, escultura, tapeçaria ou gravura, “fazia uma pintura que era só dele, não precisando que ninguém lha ensinasse ou a interpretasse”, disse á Lusa Pancho Guedes que lhe deu o primeiro espaço para se dedicar à pintura.

 

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!