Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Associação de Cultura Arte e Teatro – Mbêu aposta na formação de actores

Associação de Cultura Arte e Teatro  - Mbêu aposta na formação de actores

Foto: Jerónimo Muianga
O grupo teatral Mbêu surge como escola de formação do Mutumbela Gogo, e depois de algum tempo tornou-se independente, dado o grau de maturidade e necessidade de apresentar uma nova abordagem. Desde 2003, o grupo, composto por dez elementos, além de se fazer ao palco, começou a organizar festivais, nomeadamente o Festival de Agosto, e a formar novos actores um pouco por todo o país. Evaristo Abreu, líder do grupo, em conversa com o @ Verdade, deu a conhecer as novas tendências do grupo que é uma referência no teatro moçambicano.

 

Por que motivo se desvincularam do Mutumbela Gogo?

No verdadeiro sentido penso que não houve desvinculação, porque continuamos de vez em quando a trabalhar com o Mutumbela e há apoio mútuo. Anossa saída do Mutumbela foi um processo de crescimento natural, como uma criança que nasceu, cresceu e depois casou-se e saiu de casa, portanto formou-se outra família. Não houve cisão.

Porque é que nestes últimos tempos o grupo anda aparentemente fora dos palcos?

Porque, se queremos formar actores e organizar festivais, não vamos estar sempre em palco. Outro factor é o de que os membros do grupo não vivem do teatro, estão envolvidos em outras actividades que de certa forma roubamlhes algum tempo. A equipa que trabalha a tempo inteiro reduziu-se a quatro elementos.

Quantos actores já formaram, desde que decidiram enveredar por este caminho?

Estamos a fazer uma formação contínua a mais de 250 actores e pensamos que este é um acto muito grande, porque estamos a formar actores e diversos pontos do país como Zambézia, Nampula, Chimoio e outros. Este acto é muito mais do que subir sempre ao palco e apresentar novas peças ao público. A maior formação que fi zemos foi em parceria com a Visão Mundial, em que formámos 78 actores em treze distritos da província da Zambézia, entre 2006 e 2007.

Será que os apreciadores do vosso teatro podem ter a esperança de voltar a ver-vos em cena?

Com certeza, porque uma das coisas que nós decidimos fazer é pelo menos uma vez em cada ano organizar um espectáculo, e já começámos a fazer isso no ano passado quando apresentámos a peça “O homem ideal”, na versão monólogo. Para este ano, estamos a montar a mesma peça reescrita na Alemanha em versão com o formato de uma peça e um acto. E também temos estado a trocar experiências com actores europeus. Aparentemente o Mbêu não está a trabalhar, porque as pessoas estão interessadas em ver espectáculos, mas nós temos feito espectáculos de outra meneira, ajudando muitos artistas a crescer e formando novos actores. É um trabalho de bastidores mas é um grande trabalho.

Que difi culdade o grupo está a enfrentar?

A nossa maior difi culdade é a falta de espaço próprio para ensaios e apresentações e isso limita-nos à boa vontade dos outros grupos que nos têm emprestado salas. Mas a culpa não é de quem tem espaço e por vezes não nos empresta, é de quem tem a responsabilidade de criar centros culturais. A cidade está a crescer, projecta-se e constrói-se tudo, menos espaços culturais. Em Maputo só temos três salas de teatro, isso é ridículo para um cidade tão grande como esta. Como grupo estamos a trabalhar. Fizemos agora o “A Procura do homem ideial”. Infelizmente, por causa das condições fi nanceiras, os actores estão livres e só nos juntamos quando temos um projecto concreto em mão. É que manter um grupo é dífi – cil, são os salários, aluguer de espaços, etc. Até porque crescemos… alguns construíram famílias, outros estão empregados, enfi m, a família existe mas encontramo-nos de acordo com um plano anual.

Quais foram os momentos mais altos ao longo do percurso artístico do Mbêu?

Todos os momentos que temos estado a viver são altos, porque se formos a ver: quando estávamos vocacionados a fazer espectáculos do Mbêu era um momento alto em função do que a gente fazia, quando decidimos fazer o Festival de Agosto também foi um grande momento, e, provavelmente, tenha sido o momento mais alto. Foi um festival de grande envergadura e movimentou artistas de quase todo o mundo. Penso foi o evento que mais marcou as pessoas, porque elas gostam de coisas efectivas e mais visíveis.

OS AUTORES DAS FAMOSAS PEÇAS “MWA NPFUNDLA”, “NTXUVHA”, “CHEGADA DO VIZINHO” E “CASA DE BERNARDETE ALBA”, PREPARAM AGORA A COMEMORAÇÃO DE SEU VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO, A TER LUGAR EM FINAIS DESTE MÊS.

PARA 2009 O MBÊU JÁ TEM AGENDADO UM FESTIVAL QUE TERÁ LUGAR DE 30 DE JANEIRO A 3 DE FEVEREIRO, DO QUAL TOMARÃO PARTE TRÊS ATRIZES BRASILEIRAS FAMOSAS POR APARECEREM EM ALGUMAS NOVELAS.

ESTAS ARTISTAS VÃO NOS TRAZER UMA PEÇA CHAMADA “O OVO FRITO”. NA MESMA OCASIÃO, SERÁ LANÇADO O LIVRO DA PEÇA “A PROCURA DO HOMEM IDEAL”. NESSE MESMO FESTIVAL CONTAM COM A PRESENÇA DO GRUPO TEATRAL, TRIGO LIMPO, QUE DEVERÁ APRESENTAR UM ESPECTÁCULO DE TEATRO INFANTIL. 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!