Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nacala: vitória à justa da Frelimo ainda em dúvida

Sábado à noite, a Comissão Distrital de Eleições (CDE) de Nacala anunciou que o candidato da Frelimo a Presidente do Município de Nacala, Chalé Ossufo, obteve uma estreitíssima vitória, com 50,3% dos votos.

Para se evitar uma segunda volta, um candidato deve ter mais de metade dos votos, mas o resultado ainda está em dúvida, e uma segunda volta ainda é possível, por dois motivos. Primeiro, porque o resultado da CDE não corresponde à contagem paralela e poderá ser sujeito a correcções. Segundo, porque 5% dos votos foram nulos e devem ser reconsiderados pela Comissão Nacional de Eleições (CNE). Historicamente, a Renamo ganha mais votos na reclassificação do que a Frelimo, pelo que esta reclassificação poderá vir a fazer com que Ossufo desça abaixo dos 50%.

Poderá a Comissão Distrital de Eleições estar errada?

O resultado da CDE foi uma surpresa, porque ele deu 750 votos a mais a favor de Ossufo do que duas contagens paralelas mas, em outros aspectos, coincide com essas contagens. Existem duas razões para se pensar que a CDE possa ter cometido um erro aritmético. Em primeiro lugar, a lista dos candidatos da Renamo para a Assembléia e Presidência Municipal têm quase o mesmo número de votos, perto de 21 350. Mas Chalé Ossufo tem 976 mais votos do que a lista da Frelimo à Assembléia. De onde é que vêm esses votos extra? Em segundo lugar, a votação de Ossufo difere significativamente das duas contagens paralelas.

Os votos nulos ainda podem alterar o equilíbrio

Mesmo que o resultado da CDE esteja correto, a decisão sobre a segunda volta ainda está a nível nacional, com a CNE. Existem mais de 2500 votos nulos (5% do total da votação) em Nacala, que devem ser reconsiderados pela CNE. Este é exatamente o mesmo nível de nulos das eleições locais de 2003. Nessa eleição, a CNE validou um terço dos votos nulos – e desses, cerca de um terço foram atribuídos à Frelimo e dois terços à Renamo. Se isso acontecer novamente, seria o suficiente para descer Ossufo para 49,8% e subir dos Santos até 48%, forçando um segunda volta.

Historicamente, votos nulos revalidados foram maioritáriamente atribuídos à Renamo – talvez porque Renamo tem mais adeptos analfabetos que votam com impressões digitais, deixando marcas extra no boletim de voto.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!