Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Assembleia municipal analisa desempenho de Pio Matos

A Assembleia Municipal de Quelimane (AMQ), reúne-se, esta quarta-feira, na sua 9ª Sessão Ordinária, por sinal a primeira para este ano. Em análise, conforme soubemos do respectivo presidente do órgão, Afonso João, a AMQ, vai analisar o desempenho da edilidade nos últimos três meses do começo do ano.

De acordo ainda com João, um dos documentos que estará em análise nesta sessão, será a conta gerência da edilidade.

Posições diferentes

Constituída por duas bancadas, nomeadamente da Frelimo e da Renamo, mais uma vez a Assembleia Municipal de Quelimane, anda dividida quanto ao desempenho da edilidade sob égide de Pio Matos, já no seu terceiro mandato.

A Frelimo por exemplo diz que a edilidade tem vindo a lograr intento no que concerne ao cumprimento das suas metas planificadas. Esta mesma bancada afirma que o desempenho da edilidade tem sido notório quando por exemplo são melhoradas as vias de acesso nos bairros, expansão no abastecimento de água, limpeza da cidade entre outras actividades.

Renamo refuta

Já a bancada parlamentar da Renamo, afirma que Pio Matos perdeu o controlo da cidade, quando não consegue nem sequer tapar os charcos em algumas ruas que já não são transitáveis.

A Renamo aponta casos. Por exemplo, a rua que dá acesso ao bairro da Sinacurra, partindo do mercado central está intransitável há mais de quatro anos e isso na óptica da Renamo só acontece por o respectivo edil de Quelimane não tem vontade para resolver os problema do povo.

E não só, a bancada da “perdiz” aponta também as várias cobranças que os munícipes são sujeitas sem razão nenhuma por pessoas que depois são tidas como burladoras, mas que na verdade estão ligadas a redes onde fazem partes pessoas seniores da edilidade.

Refira-se que o caso dos funcionários que estiveram envolvidos na falsificação de senhas nos mercados, ainda está mal parado. Fontes dizem que os autores foram soltos pelo Ministério Público, alegando insuficiência de provas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!