Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Arrancou a primeira fase de registo de domínios em .xxx

Quem tenha uma marca registada já pode comprar nomes de domínios em .xxx, o novo domínio destinado a sites com conteúdos pornográficos. Como é habitual quando são lançados novos domínios de topo, há uma primeira fase em que o registo de endereços não está aberto a qualquer pessoa.

No caso do .xxx, esta primeira fase destina-se a dois tipos de potenciais compradores. Por um lado, quem tenha marcas registadas ou endereços noutros domínios de topo (como o .com ou o .net) e queira obter o endereço correspondente em .xxx. Por outro, quem tenha marcas registadas e queira simplesmente impedir que outros registem endereços com essas marcas.

Por ser um domínio destinado a conteúdos para adultos, a empresa responsável pelo .xxx, a ICM Registry, impediu o registo de nomes de celebridades, mas não fez o mesmo em relação a empresas. Estas poderão assim estar dispostas a pagar para que ninguém possa registar endereços como, por exemplo, coca-cola.xxx ou sony.xxx (as empresas normalmente registam vários domínios, para proteger as respectivas marcas e identidades).

A partir de 8 de Novembro, o registo em .xxx abre-se a qualquer pessoa, mas através de um sistema de leilões. E só a partir de 6 de Dezembro a compra passa a ser semelhante ao que acontece na maioria dos outros domínios, numa lógica de registo simples, desde que o nome esteja disponível.

A criação do .xxx arrastou-se durante anos. A proposta foi feita pela ICM Registry, mas várias vezes recusada pelo ICANN, a entidade que gere os endereços a nível mundial e que queria evitar tomar decisões que pudessem ser conotadas com a regulação de conteúdos online.

A ICM alega que o .xxx pode facilitar o controlo do acesso a conteúdos pornográficos – por exemplo, por parte de pais e encarregados de educação ou por parte de empresas que queiram evitar o acesso a este género de sites nas suas instalações. Mas este controlo só seria possível se os sites com conteúdos para adultos estivessem obrigados a restringir-se a endereços em .xxx, o que não acontece.

A indústria de conteúdos para adultos também se opôs à ideia, por temer precisamente que este género de sites possa vir a ser obrigado em alguns países a operar apenas sob endereços em .xxx. O ICANN, porém, acabou por considerar, já este ano, que a ICM Registry tinha reunido as condições exigidas para a criação de um novo domínio e deu luz verde ao processo.

A empresa defende ainda que a existência de um domínio em .xxx ajudará os cibernautas a evitar os perigos de software malicioso associados a muitos sites pornográficos. A ICM fez um acordo com a empresa especialista em segurança informática McAfee para oferecer gratuitamente protecção a todos os sites a funcionar em endereços .xxx.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!