Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Apreendidos seis camiões com madeira ilegal em Cheringoma

Um total de seis camiões que transportavam aproximadamente 40 metros cúbicos de madeira em toro, da espécie “Panga – Panga”, foram recentemente interceptados pelas autoridades da Agricultura no distrito de Cheringoma, província central moçambicana de Sofala.

Trata-se de madeira extraída por operadores furtivos durante a calada da noite na coutada-12, em Cheringoma. Os proprietários da mercadoria estão ainda em parte incerta. O Chefe dos Serviços Distritais de Actividades Económicas em Cheringoma, Pedro Cofe, citado hoje pelo ‘Noticias’, indica que o prejuízo directo, somente neste abate ilegal de madeira, representa 20 mil meticais (um dólar norte-americano equivale a 27,3 meticais).

As autoridades florestais na província de Sofala estão a apertar o cerco contra a prática de exploração ilegal de madeira, tendo os agentes da fiscalização florestal intensificado a sua acção nas zonas mais problemáticas. No terreno estão acampadas equipas de fiscalização que incluem a Força de Intervenção Rápida (FIR) e a Polícia de Protecção (PP).

Para o Administrador de Cheringoma, Fernando Razão, o controlo dos recursos naturais acontece de forma intensiva e permanente por parte de todos os membros do seu elenco. “Todos estão envolvidos na fiscalização em qualquer camião que passa pela nossa área de jurisdição, o que, de facto, demonstra o envolvimento da comunidade na fiscalização, no âmbito da Lei de Florestas e Fauna Bravia em curso no país”, afirmou.

Estatísticas actualizadas indicam que 58 por cento dos 7.200 quilómetros quadrados da superfície total do distrito de Cheringoma é ocupada por florestas, sendo que as antigas serrações daquele distrito foram transformadas pelo Estado em áreas de conservação, como a Coutada-10.

Neste momento, a exploração florestal no distrito de Cheringoma acontece em função das exigências do mercado externo nas espécies denominadas Panga-Panga, Mutondo, Mondzo, Chanate e Missassa. Cheringoma conta com dez concessionários, dos quais três funcionam com respectivas indústrias transformadoras, criando assim mais de mil postos de trabalho, beneficiando maioritariamente as comunidades locais.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!