Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Andry Rajoelina declara que ‘dirige’ Exército de Madagascar

O opositor Andry Rajoelina declarou na noite deste sábado que “dirige” o Exército “em todo território de Madagascar”, em entrevista à AFP na capital, Antananarivo.

“O Exército já não obedece às ordens do presidente da República (Marc Ravalomanana). Sou eu que dirijo o Exército.

Os militares recebem ordens de Andry Rajoelina, não apenas em Antananarivo, mas em todo Madagascar”, disse o chefe da oposição, garantindo que não busca a violência. Ravalomanana “sempre subestimou a força de um povo unido”, afirmou Rajoelina, que exige a demissão do presidente.

 “Vamos assumir a direção e a gestão do país”, prometeu o prefeito destituído da capital malgaxe. “Tenho nas mãos a máquina para fazer o país funcionar, preparar eleições livres e justas, e elevar o nível de vida da população”, que está mergulhada na pobreza.

Antes da entrevista de Rajoelina, a presidência malgaxe garantiu que o poder continua nas mãos de Marc Ravalomanana, que está no palácio presidencial.

“A oposição tomou os escritórios do primeiro-ministro, mas não tem o poder outorgado pelo povo através de eleições democráticas”, disse a presidência à AFP.

“Este movimento continua sendo por enquanto uma mobilização nas ruas, que utiliza o terror e a repressão para sobreviver. Uma autoproclamação não lhe atribui o poder legal no país, segundo o comunicado presidencial.

O primeiro-ministro da Alta Autoridade de Transição (oposição), Roindefo Zafitsimivalo Monja, à frente do gabinete designado para substituir o governo, se apoderou hoje do escritório do chefe de governo. Pouco depois, Andry Rajoelina pediu ao presidente que deixasse com humildade o poder, em um prazo de quatro horas.

O conflito entre os dois campos começou em meados de dezembro. Rajoelina, destituído em 3 de fevereiro de sua função de prefeito da capital, multiplicou as manifestações contra o presidente e se autoproclamou líder do país. Ao menos 100 pessoas morreram em episódios violentos decorrentes desta crise política.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!