Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Anarquistas ameaçam atacar o primeiro-ministro da Itália

Um grupo anarquista italiano que assumiu ter disparado contra o chefe duma empresa de engenharia nuclear ameaçou, esta Quarta-feira, atacar o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti.

O grupo, chamado Núcleo Olga da Federação Anarquista Informal – Frente Revolucionária Internacional, disse numa declaração enviada a um jornal do sul da Itália que Monti estava entre os sete alvos restantes depois de Roberto Adinolfi, chefe da Ansaldo Nucleare, ter sido baleado na perna, semana passada.

O ataque alimentou a preocupação crescente sobre um retorno da violência política na Itália por causa das dificuldades económicas e da crescente oposição às medidas de austeridade implementadas pelo governo Monti.

Em comunicado enviado ao jornal Calabria Ora, o grupo afirmou que os ataques contra a agência fiscal Equitalia continuariam enquanto o governo insistir nas reformas para reduzir a dívida enorme da Itália. “

Dizemos a Monti que ele é um dos sete restantes e que as pessoas não têm interesse em permanecer na Europa, salvar os bancos e ajudar a equilibrar as contas dum Estado que esbanjou dinheiro para os seus próprios interesses”, disse o comunicado.

“Qualquer suicídio cometido por um cidadão italiano ligado às dificuldades fiscais será punido como um “assassinato de Estado”, acrescentou o texto.

Uma série de suicídios já aconteceu na Itália por empresários desesperados com a perda de seus meios de vida por causa da crise.

O texto enviado ao Calabria Ora tinha os mesmos símbolos e estava num estilo similar a uma carta enviada ao jornal Corriere della Sera, semana passada, reivindicando a responsabilidade pelo ataque a Adinolfi na cidade de Génova.

A polícia italiana acredita que a declaração de responsabilidade é genuína e a promotora-chefe de Génova, Michele di Lecce, disse, semana passada, que não descarta novos ataques.

O mesmo grupo anarquista admitiu no ano passado ter enviado cartas-bomba para, entre outros, o chefe do Deutsche Bank, Josef Ackermann, na Alemanha.

O director-geral da Equitalia em Roma perdeu um dedo depois de abrir uma das bombas em Dezembro passado.

Supostos membros dum grupo ligado às Brigadas Vermelhas de extrema esquerda, que aterrorizaram a Itália durante os “anos de chumbo” na década de 1970 e 80, pediram na corte por uma revolução armada, Terça-feira, quando questionados sobre o ataque a Adinolfi.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!