Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Alternativas de outra dimensão

Especialistas da área falam hoje de um novo tipo de férias ou turismo mais barato, no que parece ser um atractivo a não desprezar. Provavelmente não possa ser tão pela exacta razão do preço, mas pela razoabilidade com que, aos poucos, um determinado encargo entra suavemente no bolso para se sustentar. Sem muita dor de caixa. Estamos a falar do Timeshare, já aqui abordado de forma sequencial. Rui Monteiro, consultor para a área do Turismo esclarece que ”nunca antes houve oportunidade de dar a uma classe trabalhadora a possibilidade de esta poder ser proprietária de uma ou duas semanas de férias e ir para um local, por excelência destino turístico, onde possa desfrutar de turismo de qualidade, com todos os benefícios de estar num hotel de, pelo menos, três estrelas, por um valor que, se dividido ao longo dos anos, irá com certeza beneficiar os proprietários. Com o advento de Timeshare, ou direito compartilhado, os valores para a compra de uma fracção de direito compartilhado, ou timeshare, são de facto muito mais atraentes do que considerar passar férias num hotel de três estrelas, durante um período equivalente, aliás como se poderá depreender por uma resposta mais abaixo”.

@verdade- Hoje, em Moçambique, é possível ter férias ou fazer turismo de qualidade a cem dólares por dia. Que valores pode oferecer o Timeshare?

Rui Monteiro – Os valores de time-sharing, em média, têm três níveis que são época baixa, média e alta. Estes valores obviamente dependem da localização do empreendimento, os serviços que o empreendimento oferece, a qualidade da gestão, a qualidade dos serviços oferecidos, a classificação do empreendimento, etc. Considerando que a média de uma fracção de time-sharing consiste num apartamento de dois quartos e uma sala comum, onde podem dormir, no máximo, seis pessoas, e considerando que o valores de venda são válidos por um período de 50 anos (de acordo com o Direito de Uso e Aproveitamento de Terra) então estamos perante um valor anual quase irrisório. Supondo que uma fracção custa 288.000 Meticais, este valor traduz-se num gasto anual, note-se para passar férias de 7 dias num hotel de pelo menos três estrelas, de 5,760 Meticais. Ora bem, comparando com os 100 dólares diários para passar um dia, este valor tem uma diferença brutal em comparação, resultando apenas em 822 meticais ao dia (equivalente a 32.88 dólares/dia). Note-se que os 100 dólares diários servem para um máximo de duas pessoas, ao passo que os 32,88 diários do Timeshare servem para o máximo de 6 pessoas!

@ verdade – Não seria o caso para dizer que este sistema é, efectivamente, lucrativo, portanto bom investimento, e vai ao encontro de uma classe de turistas que está a surgir no mercado? A pergunta vai porque, tanto quanto os números nos dizem, Moçambique ainda não é exactamente um destino turístico de eleição.

Rui Monteiro -A classe de turistas sempre existiu, o que não existia realmente eram as condições para que esta classe pudesse usufruir de um bem que não estava anteriormente ao alcance da mesma. Por outras palavras, com a nova legislação, haverá mais hipóteses de oferecer variados tipos de alojamento a um preço mais acessível para uma classe cada vez mais emergente em Moçambique, sem ter de recorrer ao estrangeiro para usufruir dos recursos que, na realidade, até são melhores aqui, como as nossas praias, por exemplo.

@verdade-Voltando ao moçambicano, e supondo que estamos perante o da classe média-alta, quanto precisaria de gastar nessa operação em dois ou três anos, que fosse menos do que construir um rondável numa dessas praias?

Rui Monteiro -Não se pode olhar pelo simples prisma de ter um simples rondável numa destas praias. Tem de se considerar que o rondável exige manutenção, água, electricidade, guarda, e um rol de despesas e cuidados permanentes que com o time-sharing não há, para além de que, estando o empreendimento registado com uma empresa de intercâmbios, tal como a RCI, que permite que se possa trocar a semana, comprada no respectivo empreendimento, por uma outra em qualquer parte do mundo. A grande vantagem sobre a casa de campo ou de veraneio é a de que o sistema permite que se troque o período na sua propriedade por uma temporada em qualquer outro lugar do mundo e isto, por um preço mínimo, tal como mencionado anteriormente, o preço médio de uma fracção /semana é de 250.000 Meticais, equivalente, portanto, a um custo inferior, a médio prazo, àquele de um rondável.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!