Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Acidentes com minas, 24 mortos e 32 feridos

Nos últimos três anos registaram-se em Moçambique 28 acidentes com minas e outros engenhos explosivos, cujo saldo foram 56 vitimas, das quais 24 mortais e 32 feridos, anunciou, quarta-feira, em Maputo, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação (MINEC), Henrique Banze.

“Nos últimos três anos registaram-se 28 acidentes com minas e outros engenhos explosivos, que provocaram 56 vitimas, das quais 24 mortais e 32 feridos. Estes acidentes ocorreram na sua maioria com jovens e crianças em idade escolar” afirmou.

O ministro falava durante a sessão de abertura da apresentação do balanço das actividades do Programa de Acção sobre Minas 2008-2010.

Segundo Banze, o programa de desminagem implementado nas últimas duas décadas, tem vindo a registar progressos notáveis e encorajadores, com um impacto notável no seio das populações e para o desenvolvimento do país. Contudo, advertiu Banze, as minas implantadas no país, continuam a causar danos mortais e mutilações no seio das comunidades.

Por exemplo, o Instituto Nacional de Desminagem (IND) registou 16 acidentes com minas e outros engenhos explosivos ao longo do ano de 2010, que causaram 34 vítimas, sendo sete óbitos e 27 feridos. Deste últimos, quatro são separadores que contraíram ferimentos durante as operações de desminagem.

O número de acidentes regista uma subida comparativamente ao ano anterior, cujo saldo foram nove acidentes e 19 vítimas. Com relação ao ano de 2008, registaram-se três acidentes que provocaram igual número de óbitos e quatro feridos.

Como forma de reduzir o número de acidentes, Banze disse terem sido realizadas acções de sensibilização no seio das comunidades para a sua prevenção, incluindo palestras e formação de agentes comunitários de educação cívica, que beneficiaram 14.674 pessoas.

O Plano Nacional de Acção contra Minas (PNAM) 2008-2014, previa uma redução significativa do problema de minas na ordem dos 60 por no período 2008-2010, durante o qual foram libertadas 499 áreas, correspondente a 12,2 milhões de metros quadrados, que se encontravam bloqueadas devido a confirmação ou suspeita de presença de minas anti-pessoal. No mesmo período foram destruídas 2.679 minas terrestres e 1.514 engenhos não-explodidos.

Por seu turno, o chefe de Plano de Operações de Desminagem, Belchior Martins, disse que a estratégia de desminagem distrito por distrito resultou na libertação adicional de 178 áreas, cerca de 5,5 milhões metros quadrados, que não haviam sido reportados pela pesquisa de base de 2007/2008.

Segundo Martins, foram objecto de pesquisa e desminagem, dada a obrigatoriedade dos operadores investigarem todas as situações de suspeita que sejam comunicadas pelas comunidades. Para a implementação do PNAM 2008-2014, foram disponibilizados 25 milhões de dólares, valor desembolado pelo governo e parceiros.

Martins disse que no âmbito de implementação do PNAM ainda existem por desminar 103 novas áreas suspeitas, numa extensão de 5,6 milhões de metros por quadrados, o que pressupõe a necessidade de mais 11,2 milhões USD adicionais, para efeitos de desminagem.

Dados não definitivos, apontam para uma extensão de 440.000 metros quadrados, correspondente aos 11,5 km que constitui a cintura minada da Hidroeléctrica de Cahora Bassa.

Com relação as áreas minadas existentes na linha de transporte de energia eléctrica Maputo-Komatiport, faltam ainda por desminar 127 torres de alta tensão, de um total 235 identificadas como minadas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!