Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

EDITORIAL: Abuso de confiança

Há, pelo menos, duas coisas exasperantes no caso da Cesta Básica a conceder aos que auferem menos de 2500 meticais no meio urbano. Uma é não se ter aprendido nada com o passado (leia-se 1 de Setembro). Outra é a sensação desculpabilizadora mediante a invocação de uma medida que quer dizer tudo e quer dizer nada.

Era 7 de Setembro de 2010 quando sucedeu algo similar. Salvo erro ou omissão decorrente do tempo que passa e, porventura, de a memória ser cada vez mais selectiva e apagar tristezas ou acontecimentos indecorosos, houve um arroz de terceira qualidade, aprovado por causa das revoltas de 1 e 2 de Setembro, que nunca foi visto no mercado.

Os “vândalos” então baixaram o tom da revolta e o Governo escapuliu-se da responsabilidade ao prometer e, depois, não cumprir. Porém, como a fé em Moçambique parece ser mais forte do que a fome, ninguém se rebelou pela desfaçatez governamental. Aliás, se a população não era crente, crédula terá ficado, agradecendo aos “deuses” nos quais passou a acreditar por tão inusitada, quanto despropositada, benesse.

Percebe-se que o Governo tenha tomado uma decisão no calor das emoções quando se deu a revolta. Também se percebe que o ministro da Indústria e Comércio tenha caído por causa do ‘peso’ do pão e de um arroz que foi, na verdade, um altar à miragem.

O que não se percebe é que não tenha existido o tão propalado arroz e o povo se tenha contido no seu descontentamento. E o que não se percebe, de todo, é que não se tenham tirado ensinamentos deste caso para situações análogas, doravante.

Parece, todavia, que foi isso que sucedeu. O cântaro voltou à fonte e partiu-se outra vez. O Governo teve de aumentar o preço de combustível e, para conter possíveis revoltas, resultantes de uma óbvia escalada dos preços de bens de primeira necessidade “pariu” uma tal Cesta Básica. No entanto, tanto o Governo, assim como a opinião pública, sabiam que era impossível tornar tal benesse uma realidade.

Já se tinha dito, sabe-se, que a mesma, no caso de acontecer, seria uma gritante inconstitucionalidade pelo seu reduzidíssimo raio de acção. Aliás, a Cesta Básica é tão improvável que a STV reportou, na segunda-feira, que o Governo, no Conselho de Ministros desta terça-feira, anunciaria a sua suspensão.

Descoberta a coisa, veio o porta-voz do Governo, Alberto Nkutumula, dizer que o Conselho de Ministros “não falou sobre isso” e que, quanto à suspensão, se deveria consultar o meio de comunicação social que deu a informação. A questão que não obteve ainda resposta é muito simples: porquê?

Qual foi a razão que fez com que não se abordasse no Conselho de Ministros um assunto de âmbito e interesse nacional? Afinal a Cesta Básica não deveria ter começado a 1 de Junho? É um assunto que não interessa ao Governo? É um medida escrita a tinta que o tempo apagou? Foram medidas escritas a lápis? Foi uma chávena de café que se verteu sobre os papéis? Não estavam lá todos os elementos?

Alguém ficou pelo caminho? Voou pela janela do Gabinete do Primeiro-Ministro por causa de uma brisa vespertina? Não basta o que o vice-ministro da Justiça e porta-voz do Governo disse. O que ele afirmou é um altar ao vazio. O que não revelou é o que será feito das expectativas de quem aufere até 2500 meticais. Também não se referiu à alternativa a uma medida que se adivinhava insustentável. E será que dirá ao povo quando este sair à rua.

É, evidentemente, grave o sucedido. Por mostrar a insensibilidade do Governo. E cobrir de ridículo as instituições. Mas há, acima de tudo, um dado ainda mais grave.

É que, fechado em copas, o vice-ministro da Justiça não desculpabiliza, objectivamente, o erro ou erros praticados. Ele, Nkutumula, esqueceu que é porta-voz do Governo e não de uma simples sessão do Conselho de Ministros, pelo que é suposto esclarecer qualquer assunto de interesse nacional de que a Cesta Básica é disso um exemplo paradigmático.

O que o porta-voz veio dizer traduz-se em enterrar a cultura de responsabilidade que anda sempre arredia neste país. Aí está um comportamento triste que devia, sim, ser suspenso.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!