Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A Frelimo, que já incentivou o não pagamento de impostos como forma de resistência, quer cobrar mais impostos ao povo em detrimento das grandes empresas

A Frelimo

Reza a história que durante a luta pela independência a então Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) incentivou o não pagamento de impostos como forma de resistência ao Estado colonial. No poder há mais de 40 anos o agora partido Frelimo pretende que o povo pague impostos e para isso a Autoridade Tributária tem na forja uma operação massiva de fiscalização das pequenas e médias empresas, com vista a força-las a cumprirem o código do Imposto sobre o Valor Acrescentado(IVA), em vez de acabar isenções que beneficiam as grandes empresas, particularmente aquelas que exploram os nossos recursos naturais em parcerias com os outrora libertadores.

“O IVA não está a ser cobrado na sua dimensão total. Este imposto tem um peso grande na receita do Estado e a fraca cobrança compromete as despesas do Estado” afirmou Moisés Marrime funcionário da Autoridade Tributária(AT), durante uma palestra sobre este imposto realizada na cidade de Maputo, sustentando a sua tese com base nos números das Contas Gerais do Estado e no mapa de receitas de 2015.

A cobrança do IVA, após registar um crescimento significativo entre 2010 e 2014, reduziu em 3,22% no ano passado, de 48,1 mil milhões de meticais para 46,6 mil milhões, principalmente nas operações internas onde registou uma queda de 7,6%, caindo de 21 mil milhões de meticais para 19,4 mil milhões.

Oficialmente o primeiro ano da governação de Filipe Nyusi foi “atípico”. Cheias, guerra, instabilidade dos preços das matérias-primas, desvalorização do metical foram apontados com justificação porém, de acordo com alguns economistas independentes, o Executivo não reconheceu os problemas reais da nossa economia entre eles destacam-se a falta de poupança interna e o aumento significativo da dívida pública comercial, interna e externa.

Se é verdade que nos últimos anos registou-se um forte crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), na realidade essa pujança deveu-se à poupança de outros países que chegou a Moçambique em forma de ajuda e de investimento estrangeiro contudo não se traduziu em desenvolvimento assinalável para o povo moçambicano.

O número de pobres aumentou, o acesso à água potável e saneamento básico continua a ser um luxo para a maioria. As escolas aumentaram mais produzem cidadãos cada vez menos educados e profissionalmente despreparados. As unidades sanitárias também aumentaram mas faltam profissionais de saúde e medicamentos. A energia eléctrica chega a cada vez mais pessoas mas a qualidade é cada vez pior, a rede de estradas continua deficitária e à mercê de qualquer chuva mais forte.

O crescimento económico robusto também não trouxe empregos dignos nem nos megaprojectos, ou nos seus fornecedores directos, e muito menos nos restantes sectores produtivos. A taxa de desemprego situa-se oficialmente nos 22% mas as autoridades não referem o subemprego de mais de 87% dos moçambicanos que trabalham na agricultura e no comércio informal.

Para aumentar receitas prioridade são as pequenas e médias empresas

Com o novo ciclo político a crise latente tornou-se evidente e, pela primeira vez desde há alguns, a AT falhou em 2015 a meta de arrecadação de receitas tributárias. Com a depreciação do metical em relação ao dólar norte-americano e ao rand sul-africano as importações reduziram e consequentemente as receitas aduaneiras. Ademais o peso do IVA sobre a receita do Estado decresceu de 30,83% em 2014 para 29,19% no ano findo.

A fasquia de arrecadação de receitas fiscais para 2016 foi estabelecida em 176.409.168,92 mil meticais, para atingir esse objectivo a Autoridade Tributária pretende apertar ainda mais as pequenas e médias empresas.

“A grande prioridade vai para as pequenas e médias empresas porque como sabemos as grandes empresas são as têm uma estrutura mas organizada, registos rigorosos mais fiáveis e são das que menos fazem transacções sem declaração, por isso neste momento o nosso grande foco são as médias e pequenas empresas” disse Domingos Mucota, director-geral adjunto de impostos na AT, à margem da palestra sobre “O Impacto do IVA na receita do Estado”.

Questionado porque razão a AT não cobrava mais impostos às multinacionais que operam em Moçambique Domingos Mucota explicou que “os grandes megaprojectos que nós temos estão no sector extractivo e são mais viradas para a área de exportação e a exportação está normalmente desonerada do IVA para permitir uma competitividade no exterior. Não pagam por praticarem actividades que tem isenção”.

De acordo com o economista Carlos Nuno Castel-Branco, um dos maiores defensores da renegociação dos contratos com os megaprojectos, “a soma da saída lícita (transferências legais e autorizadas) e da fuga ilícita de capitais totaliza entre 6% a 9% do PIB, anualmente”.

Ademais, escreve o economista na publicação “Desafios para Moçambique 2015”, a economia do nosso país “perde entre 700 milhões de dólares norte-americanos e 1,2 biliões de dólares norte-americanos, o que é equivalente ao crescimento médio anual do PIB”.

Também beneficia de isenções o partido que hoje está no poder mas que antes da independência advogou à fuga ao imposto de palhota como uma manifestação de resistência e de luta contra o Estado colonial.

Mais de 18 impostos e taxas que não parecem servir o povo

Os moçambicanos têm hoje o dever de pagar pelo menos 18 impostos e taxas. O Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS), o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC) e o Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes(ISPC) são os denominados impostos directos.

Existem ainda os impostos indirectos que integram o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), o Imposto sobre o Consumo Específico (ICE) e os Direitos Aduaneiros.

O nosso sistema tributário cobra ainda o Imposto de Selo, o Imposto sobre Sucessões e Doações, o Imposto da SISA, o Imposto Especial sobre o Jogo, o Imposto de Reconstrução Nacional (IRN) e o Imposto Sobre Veículos (ISN).

Para além dos chamados impostos nacionais existem os seguintes impostos autárquicos: Imposto Pessoal Autárquico(IPA), o Imposto Predial Autárquico (IPRA), o Imposto Autárquico da SISA, o Imposto Autárquico sobre Veículos, taxa por licenças de actividade económica, taxa pela prestação de serviços.

Foto de Adérito Caldeira

“Pagar impostos e taxas devidas contribui para o desenvolvimento do município e do país”, publicita a AT contudo os cidadãos que os pagam (diga-se são menos de 1% dos 30 milhões de moçambicanos) questionam-se sobre o destino que é dado às receitas fiscais.

Olhando para as despesas do Orçamento do Estado vêm-se mais mordomias e benesses para os governantes do que escolas e hospitais. Paga-se a taxa do lixo mas a recolha parece não existir, paga-se a taxa de radiodifusão que financia uma estação que em vez de serviço público faz propaganda do partido Frelimo. O orçamento da guerra não pára de crescer embora o povo não tenha água potável nem saneamento. As receitas fiscais estão inclusivamente a ser usadas para pagar dívidas contraídas sem que os moçambicanos tivessem sido consultados.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!