Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: O mal que enriquece um punhado de gente em Moçambique

De que Moçambique é um país propenso aos males originados pela força da natureza, ninguém tem dúvidas. Porém, sabe-se que, de há décadas para cá, vários fenómenos calamitosos, nomeadamente cheias, ventos fortes, seca (que agora ameaça a vida de muitas famílias), ciclones, entre outros ocorrem ano após ano, mês após mês, semana após semana, dia após dia e até hora após hora.

Estas desgraças, na sua maioria, não mudam a forma de actuação e muito menos a rota, mas nem por isso as autoridades competentes da Pérola do Índico consegue fazer algo para minimizar tais situações. Pelo contrário, o pouco e, se quisermos arriscar, o muito que o país recebe de doações beneficia a um grupo elitista já preparado para tal, pese embora os apoios chegam em nome do povo e em especial das famílias desfavorecidas e assoladas pelos fenómenos a que nos referimos.

Ora, por tudo isto, Moçambique já tem uma larga experiência no que diz respeito aos fenómenos naturais e humanas, inclusive guerras não declaradas, que sujeitam famílias, de forma sistemática, a novos assentamentos e reassentamentos. Estas situações fazem com que determinadas famílias sejam nómadas, na medida em que se devem mover dia após dia contra sua vontade.

O que nos preocupa, como moçambicanos, é o facto de o Governo não conseguir traçar, por exemplo, políticas públicas que ditem a transferência definitiva das famílias que se encontram a viver em zonas impróprias para habitação e a sensibilização e mobilização de todos para que abandonem as regiões propensas e passem a fixar suas residências em zonas seguras.

Será que o mesmo Governo ganha alguma coisa, quando há registo de imtempéries no país? A resposta a esta questão é simples. Basta olhar para alguns sectores criados para velar pela situação, o caso concreto do Instituto Nacional de Gestão das Calamidades (INGC). As viaturas alocadas à aquela instituição! A vida dos gestores do INGC! Será que é fruto do salário?

E o que fazem com o dinheiro que recebem de entidades de boa fé e que querem apoiar as famílias assoladas? Quase nada. Que o digam as vítimas! O INGC anuncia, quase todos os dias, que tem disponível tantos milhões de meticais para fazer isto e aquilo na comunidade X ou Y, mas as famílias afectadas pelas calamidades naturais continuam entregues à sua sorte, daí que vale dizer: Calamidades naturais, o mal que enriquece um punhado de gente em Moçambique.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!