Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

40 raparigas formam-se em gestão de liderança associativa

Quarenta raparigas oriundas de várias organizações juvenis e escolas secundárias a nível da cidade de Nampula, estão, desde esta terça-feira a 2 de Abril próximo, a participar numa formação em matérias de Gestão e Liderança Associativa.

Trata-se de uma iniciativa promovida pela direcção provincial da Juventude e Desportos de Nampula, que visa, entre outros objectivos, dotar às raparigas de capacidades básicas de gestão de projectos de rendimento.

Segundo Ângela Reane, directora provincial da Juventude e Desportos de Nampula, as raparigas participantes terão, ao longo dos cinco dias da formação, a oportunidade de aprender vários mecanismos relacionados com o empreendedorismo através de uma adequada aplicação dos recursos disponíveis para a sustentabilidade de uma organização juvenil.

Reane referiu que o encontro decorre numa altura em que a direcção provincial da Juventude e Desportos se prepara para realizar, a partir do próximo dia 12 de Abril, encontros ditritais e provinciais de auscultação sobre o novo Programa de Revisão da Política da Juventude no nosso país.

João Pinto, presidente do Conselho Distrital da Juventude da cidade de Nampula, defendeu que uma economia consistente só poderá ser alcançada quando o engajamento dos jovens se basear em projectos de geração de rendimento no contexto de liderança e gestão transparente.

Por seu turno, Felicidade Costa, Representante do Estado no Município de Nampula, presente no acto de abertura do referido seminário, instou às raparigas a combaterem a gravidez precoce e a apostarem na elaboração de projectos de auto-sustento familiar.

Da Costa assegurou que o governo vai continuar a encetar esforços no sentido de garantir que a rapariga continue a beneficiar de mais espaço privilegiado no Plano Estratégico do Governo, através da implementação de actividades de rendimento.

Na verdade, nós temos que sair daquele marasmo que remetia a mulher à condição de gente passiva e destituída da capacidade de enfrentar os desafios da luta contra a pobreza.

Temos que nos envolver agora na elaboração de projectos de geração de rendimento, tendo sempre bem presente o adágio popular que diz “educar uma mulher é educar uma nação”.

Disse aquela governante, repisando que a juventude é chamada a desenvolver acções de sustentabilidade e criar outras oportunidades de rendimento para o bem-estar das comunidades.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!