Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

XÏÏKWEMBO – Respirar

XÏÏKWEMBO - Respirar

Viajei. Viajo sempre. E ouvi-as nas lendas. Por todo o lado, entre as montanhas da China, nas encostas dos vampiros e nos vales das deusas gregas, nas estepes eslavas e nos lagos aqui de casa – os africanos. Nos lugares onde o vento sopra livre e mesmo nos bairros mais fechados das cidades, podemos ouvi-los… Soltam-se do bater das asas dos pássaros e caem devagar, feitos em perfumes, no rodopiar dos frangipanis, em caminho até ao chão.

Todos sabem, de Norte a Sul, de Este a Oeste. Até lá, acima das estrelas, e mesmo lá no fundo, nas profundezas, é sabido: as respirações são… E eu, eu não sigo pelos caminhos mais pisados, isso é bem claro, e até estou habituada a encontros invulgares, surpreendentes, estranhos, em situações vulgares, banais, quotidianas… mas… Dizem que estão guardadas no ponto três dedos abaixo do nosso umbigo, e que temos um número limite, defi nido na altura do nosso nascimento.

Está no nosso corpo. Aqui, na zona mais sensível de nós. Está armazenado e já existe, mesmo antes de nascermos. Em cada um de nós, o número total de respirações a que temos direito já está defi nido. E podemos usá-las como quisermos, quando quisermos. Mas quando acabam, morremos. Interrompo a ideia e deito-me para trás. Inspiro e expiro suavemente, alongo os tempos, e sinto como consigo duplicar, usando bem o ar no corpo, em cada uma das respirações.

Saboreio o ar como saboreio a primeira colherada de uma sobremesa ou o primeiro gole de um bom vinho, ou aquela fatia de torrada, aquela do meio – sim, não deixo para o fi m, é por aí que começo, devemos usar as coisas enquanto as temos – saboreio bem as respirações. E sei que são minhas, aquele número. A respiração é vital, podemos fi car alguns dias sem comer, menos sem beber e poucos minutos sem respirar. Mas hoje, quando abri a torneira não saiu água…

E penso: será que existe algures armazenada a quantidade de água que cada um pode gastar? Eu adoro banhos e agora, em África, envergonham-me os litros… vivo num dos bairros mais verdadeiros da cidade e é para mim impossível não pensar que fui eu… gastei-a.

É para todos nós coisa estranha esta de pensar que pode ser o depósito, o meu, o teu, o de cada um, que secou… mas houve um tempo em que era assim, a água e a comida, o sol e mesmo a chuva vinham mais ou menos do mérito da descoberta, da procura, do trabalho, e era proporcional, proporcional ao esforço que cada um fazia para satisfazer isto que para alguns de nós são as necessidades básicas…

Vivo em África, e aqui os tempos são outros…

Bom, a partir de agora – pelo menos por uma semana – meus duches serão mais curtos, o champô mais diluído, se também aí as quantidades que me estão destinadas são as que tenho no frasco?..

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!