Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A ntyiso wa wansati – Finais felizes

A ntyiso wa wansati - Finais felizes

O que eu quero, meu anjo viajante, é que fi ques comigo o tempo todo que quiseres, que voltes sempre que tiveres tempo e a vontade for mais forte. Tu chegas e eu nem acredito, acho que caíste do céu, tens nome e cara e corpo de anjo e já houve um génio com o teu nome que pintou o tecto da capela sistina, por isso acho que é tudo possível e que a tua presença na minha vida tem tanto de imprevisível como de certo porque a única regra do mundo é este rodar no sentido dos ponteiros do relógio, o resto são teorias e princípios abstractos que só servem para confundir o coração dos homens.

Tu chegas com um sorriso que me dá a volta à cabeça, o andar elástico e as calças largas, a mochila quase vazia e o coração cheio como uma caixa de chocolates. Vens sempre feliz e quando te vais embora nada muda na tua expressão, é como se te tivessem alimentado a alegria e felicidade quando eras pequeno e no teu sangue corresse toda a harmonia possível do universo. Abraças-me com cuidado, como se eu fosse uma criança e dizes-me que vai fi car tudo bem e eu acredito em ti como se tivesse cinco anos e me contasses uma história diferente todas as noites antes de adormecer.

Enquanto ficas e inventas uma forma mágica de esticar as horas como se fossem de plasticina, iluminas-me a casa e o corpo, os dias colam-se às noites como se nunca adormecêssemos porque todos os minutos são preciosos e todas as horas são perfeitas. Passeamos, rimos, conversamos, jantamos com os nossos amigos e dormimos como siameses. De manhã, quando acordo primeiro do que tu, fi co ao teu lado muito quieta a respirar do teu sono, à espera de ter ver acordar.

Nunca te disse que nessas manhãs celestiais é quando te quero mais e melhor, te imagino mais maduro e desejo o melhor do mundo para ti. Nunca te disse que a tua beleza me comove, que a tua voz me paralisa de prazer, que o teu corpo é um presente divino e a tua boca um mistério perfeito. Nunca te contei que sempre imaginei uma vida diferente das outras mulheres, nunca quis laços nem alianças tradicionais, papéis de cartório e outros princípios abstractos que só servem para confundir o coração dos homens.

O que eu quero, meu anjo viajante, é que fi ques comigo o tempo todo que quiseres, que voltes sempre que tiveres tempo e a vontade for mais forte e que nunca deixes de ser assim, livre e sonhador, para quem o mundo é um lugar fácil e tudo é possível. E se um dia não voltares e o teu coração voar para outro lugar, escreve-me uma carta e manda-me um postal com a imagem do tecto da capela sistina para eu saber que estás ali, suspenso nos céus, com a mão estendida para a terra, quase a agarrar o meu coração de criança que ainda acredita que todas as vida se podem contar em histórias diferentes, mas sempre com fi nais felizes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!