Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Mudança cirúrgicas nos órgãos de informação; Suspensão de Arnaldo Salvado

Xiconhoquices da semana: Funcionários públicos obrigados a participar na campanha eleitoral; Falta..

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Mudança cirúrgicas nos órgãos de informação

“Este país critica por tudo”, dirão os acólitos do oratória oficial. E não estão, diga-se, isentos de razão. Os órgãos de informação são livres de fazer mudanças e isso não deve, de forma alguma, alvoraçar a opinião pública. Contudo, quando tais mudanças sucedem de forma radical e seguem estritamente o que já era do domínio público por força de uma denúncia, importa compreender o que tal jogo de peças no xadrez da informação significam para a liberdade de imprensa.

É, portanto, neste aspecto que pretendemos questionar a nomeação de Isâlcio Ivan Mahanjane para o cargo de director de informação da TV Miramar. As ligações partidárias do cidadão em questão são incompatíveis com o estatuto de responsável máximo do conteúdo editorial de um órgão de informação.

Não cremos que alguém comprometido com o poder público em tomadas de posição de carácter político represente uma mais-valia para a imagem de independência da TV Miramar e dos seus jornalistas. Pelo seu posicionamento parcial está mais do que evidente que Mahanjane não será capaz de garantir um tratamento distanciado e isento de qualquer assunto.

Não está obviamente em causa o direito de o mesmo pertencer a uma organização política: Isâlcio é um cidadão no pleno gozo dos seus direitos constitucionais. Pode ter o partido que quiser, as opiniões e as crenças que preferir. Mas não deve nunca confundir as suas opções privadas com a actividade que exerce publicamente. E já ficou provado – nas suas opiniões no Jornal Público e nos programas da Televisão Prostituída de Moçambique (TVM) – que isso é impossível. Mas assim vai a informação no país das Xiconhoquices.

Suspensão de Arnaldo Salvado

Suspenso para falar a verdade. Era o que faltava! A Liga Moçambicana de Futebol só dá razão ao técnico mais laureado do país com esta suspensão ignóbil, pútrida, fétida e, acima de tudo, ridícula.

Não se vislumbra, nem com as lupas mais poderosas do planeta, um milímetro de inverdade nos pronunciamentos de Arnaldo Salvado. O homem disse, para quem quis ouvir, que um certo campo não reúne qualidades para receber partidas de futebol. Aliás, o que Salvado disse não é novidade. Semedo, quando esteve no Moçambola, fartou-se de falar da questão da qualidade dos campos. Mas nunca foi castigado.

Litos, técnico da Liga Muçulmana, também questionou a qualidade dos campos, mas nem sombra de castigo por parte dos homens da lisura. Se os outros não foram penalizados por pronunciamentos idênticos o que terá feito com que os homens da lisura tenham sido “tão zelosos” com Salvado? Que mais Salvado terá dito ao ponto de significar a gota que fez transbordar o copo da paciência dos homens da lhaneza?

Salvado disse que os homens da LMF não entendem nada de futebol. Uma verdade como um punho. Uma verdade atroz que soou como gancho de Tyson no rosto de Alberto Simango Júnior. Foi isso que mexeu com os homens da sapiência. Uma verdade. Um pecado no reino das Xiconhoquices de Alberto Simango Júnior…

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!