Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Familiares que violentam menores; Alargamento da Comissão Mista; Investigação das dívidas

Xiconhoquices da semana: Novo Regulamento de Transporte em Veículos Automóveis; Passaporte falso de Nini sem falsificadores; Campanha eleitoral da Frelimo

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Familiares que violentam menores

O país anda de pernas para o ar. O que se tem assistido nos últimos dias é prova da decadência da sociedade moçambicana. Quase todos os dias, há relatos de maus-tratos e violação dos direitos das crianças moçambicanas e, a cada dia que passa, a situação tende a aumentar. A título de exemplo, um casal de jovens encontra-se detido numa esquadra da Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Maputo, por tentativa frustrada de venda da filha, de aproximadamente dois anos de idade, por 300 mil meticais a um indivíduo não identificado. Outra situação de falta de sensibilidade com os petizes aconteceu no bairro de Ndlavela, no município da Matola, província de Maputo, onde uma cidadã deitou água quente no corpo de dois sobrinhos órfãos de pai, causando-lhes vários ferimentos profundos no corpo, supostamente por eles terem consumido comida sem a sua permissão. Quanta Xiconhoquice!

Alargamento da Comissão Mista

A comissão mista de preparação do encontro entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, com vista ao tão esperado diálogo político para paz, já começa a roçar ao ridículo. Depois de semanas a fio sem produzir resultados palpáveis, eis que a comissão decidiu o alargamento das duas equipas, para além de aumento de número de mediadores para o encontro. O mais caricato nessa história toda é essa falta de seriedade das duas equipas, numa altura em que centenas de moçambicanos continuam a viver um terror na região centro do país, e na incerteza do seu futuro. Aliás, com o alargamento da comissão, na qual se convida este e aquele parlador banal, nos espanta apenas o facto de até então não ter sido convidado o Papa para fazer parte do encontro. O mais estranho ainda é o facto de a sociedade civil moçambicana não ter sido convidada a integrar. Enfim, é uma vergonha!

Investigação das dívidas

Apesar das evidências sobre a ilegalidade das dívidas contraídas pelo Governo da Frelimo, através da Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM), ProIndicus e Mozambique Asset Management (MAM), a Justiça moçambicana continua a fazer ouvidos moucos diante dessa situação que empurrou o país para uma crise sem precedentes. Nem a Comissão Parlamentar encarregue de investigaro assunto mexeu uma palha sequer, continua na sua modorra física de sempre. A Procuradoria-Geral da República (PGR), como forma de lançar areia para os olhos dos moçambicanos, veio há alguns meses, de boca cheia, afirmar que abriu processos para investigar a legalidade das dívidas da EMATUM, Pro Indicus e MAM. Porém, volvido algum tempo nada foi feito. Aliás, só agora PGR iniciou audição de processo aberto faz tempo. Pela experiência que se tem, não se pode esperar grande coisa da PGR, pois ela é especialista em assuntos de pilha-galinhas.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!