Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Falta de informação e capacidade de resposta à temporal; Corte no Orçamento para os pobres; Informe do Provedor de Justiça

Xiconhoquices da semana: Investimentos do Banco Mundial em combustíveis fósseis; Endividamento das Empresas Públicas; Crise de gás de cozinha

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Falta de informação e capacidade de resposta à temporal

Mais uma vez a natureza colocou em causa as competências das nossas autoridades. Na verdade, a falta de profissionalismo por parte de algumas instituições deste país não é novidade para os moçambicanos. O temporal que arrasou a cidade e província de Maputo veio apenas colocar a nu toda a incompetência por que ainda se regem as nossas instituições, como são os casos do Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) e o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC). O INAM, que tem a responsabilidade de prever e partilhar informações relativas às mudanças atmosféricas não foi capaz de prever um vendaval acompanhado de chuva forte, granizo e descargas atmosféricas. O fenómeno apanhou os moçambicanos de surpresa, e deixou óbitos, vários feridos, sofrimento e centenas de casas arrasadas e outras destelhadas. Mas o mais caricato foi assistir a inoperância do INGC.

Corte no Orçamento para os pobres

É caso para dizer que o país prossegue colocando a “carroça na frente dos bois”. Desta vez, numa clara demonstração de falta de consideração para com a população desfavorecida e mais carenciada, o Governo da Frelimo, encabeçado por Felipe Nyusi, propõe-se a reduzir, no Orçamento de Estado (OE) de 2017, em cerca de meio bilião de meticais, o apoio às crianças, pessoas idosas, pessoas com deficiência, mulheres e chefes de agregado familiar mais pobres. Ou seja, enquanto os membros do Governo de turno, deputados da Assembleia da República, e outros dirigentes levam uma vida principesca, o sofrido povo moçambicano é obrigado a viver a pão e água. Dito sem metáfora: austeridade é apenas para a população desfavorecida. Temos de concordar com os nossos leitores quando dizem que este Governo é pior que o colono.

Informe do Provedor de Justiça

O informe apresentado pelo Provedor de Justiça, José Abudo, à Assembleia da República, não passou de um mero documento de matriz poética, ou seja, não trouxe nenhuma novidade como sempre. A informação anual do Provedor de Justiça voltou a falar da superlotação dos estabelecimentos penitenciários do país, os maus-tratos protagonizados pelos guardas prisionais, para além da grosseira violação dos direitos de justiça dos cidadãos, sobretudo pela Polícia da República de Moçambique. Infelizmente, o Provedor de Justiça tem apenas um papel meramente cosmético , limitando-se apenas a falar dos problemas. Por outro lado, o informe esteve pejado de informações relativas à participações em encontros, seminários e conferências, deixando de lado os verdadeiros problemas de justiça que apoquentam os moçambicanos.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!