Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Dia da Paz sem paz; Resgate do Moza; Importação de combustíveis

Xiconhoquices da semana: Investimentos do Banco Mundial em combustíveis fósseis; Endividamento das Empresas Públicas; Crise de gás de cozinha

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Dia da Paz sem paz

É lamentável o que, ultimamente, temos vindo a assistir neste país. O mais caricato foi assistir o deprimente teatro encenado na Praça dos Heróis Moçambicanos e, posteriormente, na Praça da Paz. Numa altura em que o país atravessa por um conflito armado sem precedentes, o Governo da Frelimo no cúmulo da sua insensatez e insensibilidade meteu-se a comemorar o 04 de Outubro, Dia da Paz, como se nada estivesse a acontecer. Com dezenas de moçambicanos a serem militarmente atacados, sobretudo pelas Forças de Defesa e Segurança (FDS), é sem dúvidas uma vergonha de proporções astronómicas comemorar o Dia da Paz. E a maior Xiconhoquice foi ouvir, na sua comunicação oficial, o Presidente a República a acusar a Renamo de ser a promotora da guerra.

Resgate do Moza

Subitamente, o Banco de Moçambique(BM) decidiu suspender os membros do Conselho de Administração e da Comissão Executiva do Moza Banco, pois a situação financeira e prudencial da quarta maior instituição financeira do País “tem vindo a degradar-se de forma insustentável”. O que causa estranheza neste resgate é o tempo que o BM levou para tomar, uma vez que a situação por que passa o Moza é conhecido há bastante tempo. Aliás, as justificações do resgate do Moza apresentadas pelo Banco Central são no mínimo duvidosas, até porque o BM sempre faltou com a verdade aos moçambicanos relativamente à descoberta das dívidas secretamente contraídas pelas empresas EMATUM, Proindicus e MAM. O Banco Central, de pés juntos, jurava que não havia problemas. Portanto, porquê os moçambicanos têm de acreditar nessa trapaça de resgate?

Importação de combustíveis

É deveras vergonhoso o que assistimos no processo de importação de combustível no país. Ou seja, o processo de importação de combustíveis no nosso país é prenhe de ineficiências e há evidências de práticas de corrupção que terá beneficiado o partido Frelimo. Esta semana, o Governo de Filie Nyusi aumentou o preço de combustíveis, justificando este aumento com os custos de importação dos produtos petrolíferos e das margens dos distribuidores e dos retalhistas, quando, na verdade, subjaz nesse sector uma grossa corrente de corrupção. Aliás, estudos realizados pelo Centro de Integridade Pública (CIP) mostram que há sobre-facturação nas importações de combustíveis líquidos, para além de envolvimento político.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!