Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoca da semana: Salvador Chale, Carvalho Muária e Efraime Macitela

Xiconhoca da semana: Mulher que trancou as filhas em casa e ateou fogo; Jorge Khalau prometeu...

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Salvador Chale

“Frelimo hoyêeee, Frelimo hoyêeee”, gritou assim Salvador Chale, o chefe do Posto Administrativo de Chidenguele, no distrito de Mandlakaze, província de Gaza. Os nossos leitores, pessoas sérias e de boa índole, detestam manifestações de adulação, foram rápidos e disseram: “Este é o Xiconhoca da semana”. Um indivíduo, dizem, pode ter o partido que quiser, mas jamais deve tirar vantagem de um cargo de liderança para lamber a lama das botas da sua formação política. Como, aliás, nos disse de forma irrepreensível um dos nossos leitores: “a língua do Chale lambe tudo e não deixa a mínima sujidade. Há porcos para tudo”. Nós corrigimos: o Xiconhoca é capaz de tudo…

Carvalho Muária

“O crime faz parte do desenvolvimento”, disse o ministro do Turismo, Carvalho Muária. A justificação de um alto quadro do Governo deixou os nossos leitores agastados. É que, dizem, se o crime faz parte do desenvolvimento a letargia da Polícia da República de Moçambique só pode fazer parte do retrocesso. “Um dirigente não pode brincar com a inteligência das pessoas. O que passa, com essa afirmação, é a ideia de que o Governo é incapaz de combater o crime e arranjou um desculpa para se eximir da sua responsabilidade. Patético”, diz um dos nossos leitores assíduos. Outro acrescenta: “essa justificação absurda é digna de um Xiconhoca”.

Efraime Macitela

A expulsão de Diamantino Miranda, depois da divulgação de uma gravação feita sem o seu consentimento, coloca em maus lençóis os profissionais de comunicação que enveredaram por atitude tão torpe. Os nossos leitores, frise-se, estão cobertos de razão pela escolha. “As lágrimas daquele homem não podem ser de crocodilo, elas escondem a raiva pelo acto pouco profissional de jornalistas que se vendem por um prato de sopa”, diz um leitor descontente. “O Sindicato Nacional de Jornalistas devia agir ou fazer alguma coisa”, diz outro. Nós concordamos, pois achamos que a atitude é realmente digna de Xiconhocas.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!