Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoca da semana: Moshin Sidat; Sofrimento Matequenha; Vicente Lourenço

Xiconhoca da semana: Mulher que trancou as filhas em casa e ateou fogo; Jorge Khalau prometeu...

Os leitores do @Verdade nomearam esta semana os seguintes Xiconhocas:

1. Moshin Sidat

O director da Faculdade de Medicina, Moshin Sidat, entra de rompante para a lista dos Xiconhocas da semana. Os nossos leitores dizem que ninguém mais do que ele merecia tamanho galardão.

Recebemos propostas ousadas e que exigiam que o Professor Doutor Moshin Sidat ocupasse, sozinho, o pódio dos Xiconhocas da semana. É preciso não ter o mínimo de bom senso para reprovar médicos estagiárias por uma ausência de oito dias, sobretudo quando o referido estágio é da responsabilidade do Ministério da Saúde.

O que é grave, no modus operandi deste Xiconhoca, é o facto de ignorar a aquisição ou não de competências por parte dos médicos estagiários. Ou seja, tudo depende da vontade de um Xiconhoca. Há quem gosta de brincar com coisas sérias.

2. Sofrimento Matequenha

O delegado político provincial da Renamo em Manica, Sofrimento Matequenha, perdeu uma excelente oportunidade para ficar calado. Afirmou, em Chimoio, que o seu partido vai boicotar as eleições autárquicas.

É caso para questionar: “E nós com isso”? Os nossos leitores alegam que “numa altura em que muitos políticos estão preocupados em apoiar as vítimas das inundações, este partido, através do Sr. Matequenha, disse que este ano não teremos eleições”. “Esperávamos”, continuam, “que fosse um encontro de angariação de apoio para as vítimas das cheias”.

Nós concordamos com eles. Faria todo o sentido. No momento de luta os discursos incendiários deviam ser proibidos por lei. O Matequenha devia anunciar, isso sim, a criação de uma brigada da Renamo para fiscalizar os apoios que outros Xiconhocas como ele têm desviado.

3. Vicente Lourenço

Se há algo que caracteriza um Xiconhoca é a sua amnésia selectiva. Esse é o caso de Vicente Lourenço, presidente do município de Cuamba.

O homem que entra na história do país por vencer uma eleição sem manifesto eleitoral ganhou direito a figurar no panteão dos piores dirigentes que Cuamba conheceu. Vicente Lourenço tem um talento descomunal para amealhar incompetências. Os nossos leitores dizem que a cidade de Cuamba já não tem estradas, mas sim buracos grandes.

Sugerem que a urbe deixe de ser município. Quem quiser tirar um curso superior de incompetência e desastre na gestão da coisa pública pode procurar Vicente Lourenço. Um Xiconhoca como deve ser.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!