Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoca da semana: António Macuácua; Augusto Fernando; José Nhantumbo

Xiconhoca da semana: Mulher que trancou as filhas em casa e ateou fogo; Jorge Khalau prometeu...

Os leitores do @Verdade nomearam esta semana os seguintes Xiconhocas:

1. António Macuácua

Os trabalhadores do Casino votaram, para Xiconhoca da semana, o director dos Recursos Humanos daquela empresa que se dedica aos jogos de azar. No fundo da escolha talvez resida o tão famigerado conflito de interesses. Porém, os argumentos são fortes.

António Macuácua é o estilo de funcionário que qualquer empresário gostaria de ter na sua empresa. Faz exactamente o que lhe mandam e não se importa de atropelar a lei. Um autêntico pesadelo para a massa laboral.

2. Augusto Fernando

O presidente do Conselho de Administração da Electricidade de Moçambique é uma escolha previsível. Nós já esperávamos que os nossos leitores virassem as suas balas para Augusto Fernando. Contudo, não sabemos se foi Augusto Fernando que tornou a EDM o que é ou se esta é que o tornou Xiconhoca. De todas as formas, o povo fez a sua escolha.

Os cortes frequentes de energia nos bairros de Maputo, as interrupções sistemáticas um pouco por todo o país e as avarias que viraram regra naquela empresa são um argumento de peso. Não conseguir contornar esses problemas e não abdicar do cargo torna qualquer um Xiconhoca. E fica uma pergunta oportuna: será que este Xiconhoca se sente bem com toda esta colecção de fracassos?

3. José Nhantumbo

Quando pensávamos que a escravidão só podia ser recordada como um episódio triste da história da humanidade, o director da cadeia distrital da Moamba, José Nhantumbo, fez questão de mostrar o quão estávamos enganados. O homem, qual senhor feudal, usa os reclusos daquele estabelecimento prisional como escravos na sua quinta pessoal.

Este Xiconhoca é realmente surpreendente. Não poderíamos, mesmo com recurso a substâncias psicotrópicas, cogitar que um ser humano fosse capaz de praticar tais actos em pleno século XXI. Há, como diria o outro, Xiconhocas e Xiconhocas.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!