Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

WWF denuncia “extermínio” de elefantes e rinocerontes

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) afirma que Moçambique assiste a “um extermínio” do elefante e do rinoceronte, tendo perdido nos últimos dois anos 2500 elefantes, principalmente nas áreas de conservação.

Num comunicado que “retrata a situação da caça furtiva em Moçambique nos últimos anos”, o WWF refere que 2500 elefantes foram abatidos ilegalmente nos últimos dois anos e que o país perdeu pouco mais de USD12 milhões em receitas relacionadas com o turismo cinegético.

“Este extermínio, que ocorre um pouco por todo o país e com maior incidência nas áreas de conservação e outras áreas livres de maior concentração, tem como autores principais cidadãos nacionais e estrangeiros”, diz a organização de defesa da vida selvagem.

Qualificando a situação de “uma autêntica delapidação da fauna bravia moçambicana”, o WWF diz que o país é também um dos maiores corredores de marfim de elefantes e pontas de rinoceronte, com destino à Ásia.

“De acordo com um relatório da Convenção Internacional sobre Comércio das Espécies em Perigo (CITES), neste momento regista-se um grande declínio do número de elefantes, devido à acção dos caçadores furtivos”, acrescenta a nota de imprensa do WWF enviada à Redacção do Correio da Manhã.

Segundo a organização, numa recente visita ao Parque Nacional das Quirimbas, em Cabo Delgado, Norte de Moçambique, a directora nacional do WWF em Moçambique, Helena Motta, viu cerca de 85 elefantes abatidos numa pequena área de concentração dos paquidermes.

“Os elefantes bebés ou jovens são abatidos em primeiro lugar, pois as mães ficam por perto e também são alvo fácil a abater. Isto tem tido um imenso impacto nas manadas e nos sobreviventes que perdem os adultos que têm a informação sobre os locais onde se encontra a água. A imagem é demasiado triste para ser descrita”, relatou Helena Motta.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!