Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘Wikileaks’: parlamento reprova proposta da oposição

A Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, reprovou esta quinta-feira, por voto maioritário do partido FRELIMO, a proposta da oposição intimando o Governo para esclarecer as recentes informações publicadas pelo ‘site WikiLeaks’. A proposta foi levantada na sessão plenária da ultima quarta-feira pela Renamo, maior partido da oposição em Moçambique, como questão previa. O assunto foi tratado pela Comissão Permanente do parlamento que decidiu remeter o caso a plenária da quinta-feira.

 

 

 

O voto da bancada maioritária, a Frelimo, acabou ‘chumbando’ a proposta da oposição, referindo que a mesma visa desviar os moçambicanos da sua principal agenda que é o combate a pobreza.

O Deputado Raimundo Pachinuapa disse, na defesa do voto da sua bancada, que ‘somos deputados com grandes responsabilidades e não podemos viver de fofocas e boatos’. De acordo com Pachinuapa, os ‘sites’ de fofocas e especulações serão combatidos por se serem contrários ao sentido de Estado. Ele acusou a Renamo de viver de desinformações, com o único objectivo de desestabilizar o país, incitando até a desobediência civil.

Enquanto isso, a Renamo, através do deputado Milaco, afirma que o assunto é de interesse público por afectar a boa imagem dos moçambicanos. Segundo ele, ao se negar a ida do executivo ao parlamento ficou mais do que claro que o assunto também mexe com alguns membros do parlamento moçambicano. Ele indicou que o tráfico de drogas no país não tem rosto e que a justiça moçambicana nunca teve coragem de enfrentá-lo. ‘Podem escapar internamente mas um dia o Tribunal Penal Internacional se encarregará disso’ , prometeu Milaco.

Enquanto isso, o deputado Ismael Mussa, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), que secundou a proposta da Renamo disse que a informação avançada pelo ‘site Wikileaks’ embora seja classificada não é oficial. Ele referiu que seria melhor se tratar o assunto com alguma antecedência já que, segundo as suas palavras, até aqui só foram publicados quatro de um total de 940 ficheiros que têm a ver com Moçambique. Mussa disse ainda que já há outras informações apontando para a libertação de contentores de droga no porto de Maputo. O Governo de Moçambique já desmentiu publicamente as informações da ‘WikiLeaks’.

Em comunicado de imprensa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação referiu que o governo moçambicano se distancia do conteúdo dessas informações. “Essas informações não têm qualquer base de sustentação e atentam contra a imagem, o prestígio e o bom-nome do Estado moçambicano e dos seus dirigentes”, refere o comunicado, realçando que as informações do site fundado pelo australiano Julian Assange “são susceptíveis de prejudicar a dinâmica das relações internacionais”.

No comunicado, o governo moçambicano reafirmou a sua determinação na prevenção e combate aos actos ilícitos, que constituem obstáculos à sua agenda nacional de luta contra a pobreza e pelo desenvolvimento, e mantém o seu cometimento na promoção das boas relações de amizade, solidariedade e cooperação com todos os Estados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!