Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Para quando o fim do conflito armado?

A quem beneficia o conflito armado que o país atravessa? Certamente, ao povo moçambicano não. Aliás, pelo andar da carruagem, tudo indica que há interesses obscuros e inexplicáveis por detrás desta guerra que tem vindo a dizimar dezenas de vidas humanas e o sonho de milhares de moçambicanos. Há, sem sombra de dúvidas, figuras, ligadas ao partido no poder, que têm vindo a “alimentar-se” desse conflito armado, razão pela qual lutam para que não haja o cessar-fogo a curto prazo.

Se a situação já era crítica, a cada dia que passa tende a piorar. Centenas de famílias, sobretudo na região Centro do país, já ambandoram as suas habitações e machambas. Centenas de crianças deixaram de ir à escola. Dezenas de viaturas foram queimadas. O trânsito entre o Norte, Centro e Sul de Moçambique é condicionado. Ainda, por causa dessa conflito armado cujo mote é até então inconfessável, o país atravessa o seu pior momento económico, com tendências catastróficas.

Quando parecia que havia luz verde no fundo do túnel, com o documento partilhado pela comissão mistade preparação do encontro entre o Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, e o líder do principal partido da oposição, Afonso Dhlakama, eis que a situação mudou de figura. Estava claro que havia intenções de acomodar a exigência da Renamo de governar as seis províncias onde ganhou as eleições. Porém, misteriosamente é-nos brindado com o “dito por não dito”.

Diante desses aspectos, a conclusão que se chega é de que há vários interesses fortes para que o país volte a mergulhar em mais uma violenta e sangrenta guerra cívil. Ou seja, há quem está, por detrás da logística desta guerra, a levar habilmente água ao seu moinho. Há quem está a marimbar-se da triste e penosa situação por que centenas de moçambicanos são forçados a passar.

Continuar a promover guerra, dividir e destruir a nação é, sem dúvida, uma estratégia desesperada de um regime que medra a custa do subdesenvolvimento da população e teme que esses moçambicanos descubram os seus pés de barro. Portanto, hoje parece que ninguém tem mais dúvidas de que o maior problema desta país é a Frelimo e os líderes que ampliam os seus patrimónios pessoais a custa do sangue do povo.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!