Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: O cúmulo da hipocrisia

O Presidente da República, Filipe Nyusi, iniciou a Presidência Aberta, ora baptizada de visita presidencial, no norte do país, numa altura que o país atravessa o seu pior pesadelo económico dos últimos tempos. Com vista a distrair incautos, o Chefe de Estado simulou que reduziu o número de indivíduos que compõem a sua comitiva. Embora tenha levado poucos ministros, a redução não passa de uma atitude meramente cosmética para dar entender que há uma preocupação em cortar as despesas supérfluas.

É sabido, por experiência feita, que as comitivas do PR são por natureza despesistas. Na situação em que o país caminha, a passos largos, para o abismo sem precedentes, e os moçambicanos vivem na incerteza do que hão-de comer no dia seguinte, é pura insensatez, para não dizer insulto à dignidade do povo moçambicano, essa iniciativa do Chefe de Estado de promover Presidências Abertas.

Porém, o cúmulo da insensatez do Presidente da República não está somente na promoção das pomposas e improdutivas Presidencias Abertas. Aliás, na província do Niassa, o Chefe de Estado mostrou, à saciedade, a sua hipocrisia crassa ao afirmar que vai mandar as Forças de Defesa e Segurança protegerem os membros da Renamo que têm de dialogar com o Governo. E não ficou por aí. Cinicamente, Filipe Nyusi disse que a melhor forma de resolver o conflito armado é através do diálogo. Que grande novidade! Só hoje o PR se deu conta disso, após anos a fio a promover uma guerra que tem vindo a dizimar dezenas de moçambicanos inocentes?

Na verdade, Nyusi, como sempre, saiu-se muito, muito mal. É sempre assim quando está diante das câmaras de televisão. Aliás, a cada dia que passa o Presidente da República aparece ainda mais politicamente fragilizado e aproveita a oportunidade para pôr a nu o esvaziamento do seu discurso.  E, desta vez para o país inteiro, revelou, toda a hipocrisia por que ainda rege a si próprio assim como  ao seu partido.

Depois de, estupidamente, comparar a situação que país atravessa com a malária, no seu primeiro pronunciamento público sobre a dívida contraída ilegalmente pelo Governo, ao invés de fazer o mesmo que fazem outros políticos corruptos e oportunistas (mentir e prometer até à exaustão), optou, portanto, por se fazer passar por um bom samaritano no norte do país.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!