Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Deus nos acuda

Hoje parece que ninguém tem mais dúvidas de que, no nosso país, as liberdades de expressão e de pensamento não passam de meras intenções. A despeito das liberdades estarem garantidas na Constituição da República, a realidade tem-se manifestado de forma diferente. Ou seja, tudo indica que a liberdade de expressão e de pensamento consagrada na lei-mãe tem uma função meramente cosmética, equiparando-se as bolinhas numa árvore de Natal.

Quando se pensa que o país está a dar passos animadores rumo à consolidação de Estado de Direito, assistimos, por outro lado, a intensificação de acções macabras de cunho político-partidário perpetradas por grupos tenebrosos e sanguinários supostamente desconhecidos. Só neste primeiro semestre de 2016, mais de 10 casos de sequestros, execuções sumárias e torturas foram registados. Quase todas as vítimas dessas acções eram ou são indivíduos que não pertencem ao partido Frelimo ou que teceram críticas contundentes ao regime. O caso mais recente foi o do professor universitário, José Jaime Macuane, que foi sequestrado e baleado, devido aos seus comentários críticos ao sistema.

Esses factos mostram que o país se tornou uma ditadura que se esconde por detrás da democracia. É, igualmente, evidente que o regime preparou – e tem vindo a preparar – homens, e os armou até aos dentes, para eliminar ou amedrontar todos os moçambicanos que ousarem criticar ou se opor ao Governo de turno.

Como povo não deveríamos nos deixar amedrontar por essas acções que visam controlar consciências no seio das famílias moçambicanas. Mas, infelizmente, como moçambicanos, o que mais nos têm faltado – e que vai ficando bem à vista, a cada dia quese levanta – é a sensibilidade, facto que deveria fazer corar de vergonha a todos os nós. Aliás, as situações até aqui registadas são motivos mais do que suficientes para sairmos às ruas e mostrar a nossa indignação, independentemente dos tanques de guerra que são postos a circular nas principais artérias da urbe.

Temos sido insensíveis diante das atrocidades cometidas pelo Governo contra a dignidade e integridade física de cidadãos honestos. Somos incapazes de protestar contra todos os actos bárbaros que vitima(ra)m muitos dos nossos compatriotas. Despojados de consciência crítica, vivemos e andamos amedrontados e sem discernimento, tudo porque tememos que o Governo envie os seus cães de guarda para reprimirem, castrarem e até matarem todos aqueles que tiverem a ousadia de se lhes resistirem.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!