Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Até quando essa insensibilidade?

Teve início, nesta quarta-feira, a III Sessão Ordinária da Assembleia da República e, como sempre, a abertura, o Parlamento não trouxe nada de novo. Mas, na verdade, pouco importa os assuntos discutidos naquela que é cinicamente chamada de “Casa do Povo”, até porque os moçambicanos já estão habituados ao teatro protagonizado por aqueles 250 actores amadores de muito mau gosto. Aliás, aqui o problema é outro.

Diante da dramática situação que o país atravessa nos últimos dias, é indiscutível que o Parlamento moçambicano é exemplo mais bem acabado de um covil de insensíveis, que vivem à custa dos nossos impostos e ainda fingem estar preocupados com a população.

Todos os dias, os moçambicanos são obrigados a abandonarem as suas terras devido a um guerra provocada por um bando de ganancioso que já garantiram no seu orçamento um aumento salarial. Enquanto os tais doutos senhores afogam-se em sucessivos e massificados almoços regados com vinho dos mais caros que há no mercado, fingindo discutir assuntos que apoquentam o povo, milhares de pessoas clamam por um cessar fogo para continuar com a sua machamba.

Na verdade, os três partidos instalados na Assembleia da República movimentam-se para defender os interesses pessoais e dos seus partidos políticos – na sua maioria, não explicado. De um lado, está a turma dos “Camaradas” que, com aquele ar de meros empregados públicos cientificamente preparados para reproduzir e fazer passar os interesses da Frelimo, afirma que continuará a privilegiar o diálogo como forma de ultrapassar quaisquer divergências. Porém, a realidade tem sido outra. Aliás, a Frelimo prossegue indiferente ao eleitor, ao povo e à opinião pública.

No meio, continua os “bobos da corte”, que, em busca de holofotes, vem com conversa para boi dormir, ao afirmar que os moçambicanos não merecem uma outra guerra, tampouco uma reedição de uma era de violação sistemática dos direitos humanos e de um Estado Autoritário. Limitam-se apenas a dizer isso e fazem ouvidos moucos ao sofrimento do povo. Do outro lado, encontra-se a turma dos que se dizem pela Paz e Democracia, quando na verdade continuam com o (péssimo) hábito de jogar tudo na sua vingança, além de fingir que é oposição.

No final do dia, como povo, continuaremos a assistir a esses indivíduos sem nenhuma réstia de sentimento a darem beijinhos uns aos outros, numa demonstração de que estão marimbando-se para o sofrimento do povo.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!