Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: A mesquinhez do Governo moçambicano

Se havia alguma dúvida relativa à índole do Governo moçambicano, hoje parece não haver mais. Aliás, o tempo tem-se encarregado de mostrar o quão mesquinho é o Governo de turno. Nos últimos meses, sobretudo após ser despoletado o caso das dívidas contraídas com o aval ilegal do Estado, assistimos a uma série de demonstração de vaidadezinha política protagonizada pelo Governo da Frelimo.

Devido a esse comportamento, inúmeras vezes, dissemos aqui que o Executivo de Nyusi caminha alegremente para se tornar um bom exemplo de incapacidade e incompetência da história recente do país. O Presidente da República, Filipe Nyusi, por diversas vezes, mostrou-se contra a auditoria externa às contas públicas, uma exigência apresentada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

O Chefe de Estado demonstrava a sua alergia à auditoria forense às dívidas ilegais em todos os cantos por onde passava. Muita vezes, escondia-se por detrás da soberania nacional. Essa situação, que na verdade se tratava de uma demonstração de falta de bom senso, empurrava cada vez mais o país para o abismo.

Hoje, está claro que o Governo da Frelimo continua a apostar no atraso do país. Como resultado disso, Moçambique enfrenta o seu pior momento, marcado por alta de preços de produtos de primeira necessidade e um conflito armado sem fim à vista. Além disso, o nosso país tornou-se vulnerável a choques externos, e permanece incapaz de satisfazer as necessidades de consumo interno.

Uma vez que a situação tende a deteriorar- se – e não se vislumbrando uma solução a curto prazo – o Governo da Frelimo não teve outra saída, se não engolir a sua vaidadezinha política e fechar um acordo para o avanço da auditoria independente às três empresas que beneficiaram das dívidas avalizadas pelo Estado, nomeadamente, Proindicus, Mozambique Assets Management (MAM) e Empresa Moçambicana de Atum (Ematum).

É, sem dúvida, uma estratégia desesperada de um regime que medra a custa do subdesenvolvimento mental da população e teme que esses moçambicanos alienados descubram os seus pés de barro. Portanto, como diz o adágio “mais vale tarde do que nunca”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!