Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Verdade Crua – Estou desolada

Seremos certamente muitos a repetir a frase absurda do capitão Moussa Dadis Camara. Ele está mais “desolado” do que os familiares das dezenas de vítimas guineenses que tombaram sob as balas dos militares no dia 28 de Setembro? Ele está mais “desolado” que as milhares de pessoas que se manifestaram em Conacri e em Labé para clamar a sua indignação contra a ditadura e a vontade de mudança? Ele está mais “desolado” do que os milhões de africanos que assistem desde há anos ao recuo fulgurante da democracia no continente?

Quantos foram mortos no Zimbabwe, no Quénia, no Madagáscar, no Gabão…? Quantos ainda perderão a vida na Guiné e por essa África fora? Quantos serão sacrificados antes de os nossos dirigentes mais limitados intelectualmente compreenderem finalmente que as populações não estão mais sujeitas aos seus desmandos nem lhes devem um reconhecimento absoluto e eterno de que eles estão convencidos? A síndroma do “presidente salvador” é perniciosa. Os factos, cada vez mais provam isso.

Há nove meses, um jovem soldado que se dizia patriota decidiu tomar nas suas mãos o destino do país maravilhoso, perguntando- se se o não remeterá para os demónios do passado.

Este patriota que se crê mais patriota que os seus concidadãos, por estupidez, por ingenuidade ou por cinismo (quem sabe?), cuspiu a sua impotência na face do mundo. “Estou muito desolado”. Tarde demais. A terra de Conacri já está manchada. E excepto um milagre divino, a sede de vingança fará correr novamente sangue.

O sangue daqueles que na segunda-feira afrontaram corajosamente homens armados na esperança única de salvar o seu país de uma dolorosa agonia. Estou desolada.

Sim. Desolada por ter escrito estas linhas. Como os comentários esperados, e depois da repressão sangrenta da manifestação das Forças vivas, elas testemunham a gravidade de uma situação que nos preocupa a todos. Tal como uma serpente viscosa, ela escapa das mãos do capitão Moussa Dadis Camara…

*Correspondente da “Jeune Afrique” em Dacar, Bissau e Conacri

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!