Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Venezuelanos correm para os bancos para deixar notas que vão perder valor

Fazendo fila desde o amanhecer com mochilas e sacolas plásticas cheias de dinheiro, os venezuelanos correram para os bancos do país nesta terça-feira para deixar notas de cem bolívares depois da medida surpreendente do presidente Nicolás Maduro de tirá-las de circulação.

Soldados observavam enquanto as pessoas se aglomeravam nas filas com a maior cédula de dinheiro da Venezuela, que vale no momento apenas três centavos de dólar nas ruas e que precisa ser depositada antes de se tornar oficialmente sem valor.

Maduro anunciou a medida no domingo, para a consternação de venezuelanos que se acostumaram a guardar grandes quantidades de dinheiro vivo em casa uma vez que o valor do bolívar tem desabado no país em crise. Muitos comerciantes pararam de receber o dinheiro imediatamente.

Acusado pelos críticos de tomar medidas sem sentido e apressadas, Maduro, 54 anos, justificou a decisão como uma tentativa de combater as máfias internacionais, especialmente na fronteira colombiana, acumulando bolívares para contrabando.

“Para o povo da Venezuela, especialmente aposentados, motoristas, pessoas de negócios, donas de casa e trabalhadores, eu digo a vocês que não precisam se preocupar”, disse Maduro num comunicado nesta terça.

“As medidas são do seu interesse.” A Venezuela fechou a sua fronteira com a Colômbia na segunda-feira, onde o governo disse que 117 pessoas foram presas e 104 milhões de bolívares foram confiscados.

O país, membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), atravessa uma grande crise: a inflação prevista por economistas para este ano é maior de 500 por cento e o câmbio em um ano já caiu mais de 75 por cento em relação ao dólar, fazendo com que milhões comam menos.

As notas vão ser oficialmente retiradas na quinta-feira, e depois disso os venezuelanos terão dez dias para levar as restantes ao banco central.

Muitos questionam como o país pode coletar mais de seis biliões de notas num período tão curto. “Este país está caótico e a cada dia fica pior. Qual o sentido?”, disse Walter Castagnoli, 43 anos, motorista desempregado numa fila em Caracas para depositar as notas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!