Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Uruguai 2-Holanda 3: O que eles disseram depois do jogo

“É incrível que tenhamos chegado à final. Estou com a seleção há dois anos e desde então tenho dito aos jogadores que temos uma missão e que precisamos acreditar em nós mesmos. Somos um pequeno país e estamos na decisão, é inacreditável. A última vez que disputamos o título foi há 32 anos. Alcançamos um feito extraordinário. Amo o futebol bonito, mas também quero ganhar. No segundo tempo, todos viram que sabemos jogar bola, foi quando decidimos o jogo. Deveríamos ter marcado o quarto golo, mas no final as coisas ficaram complicadas novamente. Na minha opinião, a Espanha é superior, mas os alemães estão mostrando o melhor futebol do torneio. Será uma bela partida, vamos esperar.” Bert van Marwijk, técnico da Holanda.

“O jogo foi digno de uma semifinal de Copa do Mundo. Estou orgulhoso dos meus jogadores. Estamos tristes, mas mostramos a todos aqueles que não acreditavam em nós que não estamos tão longe do topo. Tentamos de tudo, mas não conseguimos sair de campo com a vitória. No entanto, estou absolutamente satisfeito com o que a minha equipe apresentou. Os jogadores mostraram poder de reação ao empatarem a partida e lutaram até o final. Eu não poderia exigir mais. Os meus jogadores e o nosso país também não. Mas a vitória foi justa, nós aceitamos isso. Se eu tivesse de escolher uma forma de perder, seria muito parecida com a derrota de hoje.” Oscar Tabárez, técnico do Uruguai.

“Tudo ainda está um pouco fresco demais na minha cabeça. Estou contente por termos passado de fase. Vencemos as seis partidas aqui, ganhamos todas nas eliminatórias e estamos no caminho certo. O jogo de hoje não foi esplêndido, mas estamos na final. Da última vez em que a Holanda chegou à decisão, eu tinha apenas um ano de idade. O essencial hoje foi a calma. Utilizamos melhor as laterais do campo para sairmos da defesa. No primeiro tempo, vimos o que aconteceu quando ficamos desorganizados. Depois do intervalo, as coisas ficaram muito melhores, pois trabalhamos melhor as jogadas lá atrás e utilizamos bem as laterais. Quando o Arjen [Robben] tem espaço, sabemos do que ele é capaz. O futebol holandês se tornou disciplinado.” Mark van Bommel, meio-campista da Holanda.

“Jogamos um bom torneio. Embora tenha sido uma boa Copa do Mundo para nós, estamos tristes. Desperdiçamos uma grande chance de chegar à final depois de tantos anos. Esse era o nosso objetivo. Mas hoje enfrentamos um adversário muito forte. Assim é o futebol. Talvez consigamos da próxima vez.” Egídio Arevalo, meio-campista do Uruguai.

“Nunca tive tanto medo na minha vida quanto nos últimos minutos. Mas estou orgulhoso agora. Amanhã, torcerei obviamente pela Espanha. A Alemanha que me desculpe.” Rafael van der Vaart, meio-campista da Holanda.

“A principal diferença não foi o talento individual, mas a coletividade. Os momentos decisivos foram quando os holandeses fizeram os gols. Eles marcaram o segundo gol quando estávamos na nossa melhor fase na partida. Estou muito orgulhoso de fazer parte desta equipe que escreveu história na África do Sul. Se estou satisfeito? Só poderei dizer isso depois do próximo jogo. Não é indiferente ser terceiro ou quarto!” Alvaro Pereira, meio-campista do Uruguai.

“Estou extremamente orgulhoso do que fizemos nesse jogo tão difícil. Estamos muito felizes pela vaga na final. Nós mesmos nos colocamos em uma situação muito difícil nos últimos minutos. Mas isso deixou a vitória ainda mais bonita. Não existe nada mais belo do que uma final de Copa do Mundo. É formidável, fantástico.” Wesley Sneijder, meio-campista da Holanda.

“É incrível, um sentimento ótimo. Após 32 anos, voltamos a uma final da Copa do Mundo. É uma realização. Agora, obviamente, pretendemos ganhar também a final. Naturalmente, amanhã vou torcer pela Alemanha, que conta com os meus companheiros do Bayern de Munique. Eles também estão merecendo chegar à final. Mandaram a Inglaterra e a Argentina para casa, aquilo foi demais. Decidir contra a Alemanha seria uma final dos sonhos — quer dizer, se nós ganharmos, senão não quero nem mais voltar para o Bayern. Se perdermos, precisarei procurar um clube novo.” Arjen Robben, atacante da Holanda.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!