Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Showesia 2011- Festival Palavra no Mundo

Showesia 2011- Festival Palavra no Mundo

No fim de duas semanas de intensa militância pela paz, a poetiza moçambicana, Tânia Tomé, mentora do Festival Internacional Showesia, revelou-se estimulada a prosseguir com a iniciativa. Salienta, porém que “ainda falta investimento para paz”.

Para encerrar o evento, na última quinta-feira, o Cine Teatro Gilberto Mendes, em Maputo acolheu, em noite de gala, o sarau cultural que apesar de multidisciplinar, conseguiu mesclar e capitalizar a produção artística dos tempos e várias gerações em volta da paz.

Com um comovente recital da “paz”, de Tiago de Mello, um poeta brasileiro, escrito nos anos ‘60, altura em que o mundo clamava pela paz. As cadeias “viviam” superlotadas, não de delinquentes mas de homens que clamavam pela paz, coube a Calane da Silva, “em defesa dos direitos humanos e da paz” iniciar com o evento.

Para Calane, “a paz não é algo incomum, tão pouco complicada. É o que fazemos quando nos reconciliamos, com os nossos irmãos, colegas, amigos com quem temos uma briga ou de que pouco gostamos”.

{youtube}3HF8i-hktXM{/youtube}

Porque a conquista da paz não somente se faz pela paz mas igualmente pelo repúdio às situações conflituosas, Argentina Luís, jovem cantora ex-participante do Fama Show – evento vocacionado à promoção de novos talentos – fez da ocasião repudiar ao clima que se vive, no norte de África, bem como às últimas catástrofes registadas no Japão e Haiti.

Para Filipe “ser solidário a quem necessita é rumo à paz”, afinal “a verdadeira paz vem do céu”, como salienta outro participante.

{youtube}hSoH0Sba-go{/youtube}

Sobre o evento, a locutora da Rádio Moçambique, Julieta Mussanhane considera surpreendente a sábia selecção das mensagens que fizeram da paz a estrela do momento. Por isso, para a edição seguinte propõe que o tema seja “a juventude pela paz”.

Para além da participação da realizadora norte-americana, Iara Lee que com o filme “Culturas de Resistência” acresceu valor ao evento, Tânia Tomé considera que “conseguimos disseminar a mensagem da paz”. Entretanto, “importante é que é que se cultive a paz”. Afinal, “o activismo da paz não se deve restringir aos aos artistas, mas deve ser praticado por todos”, finalizou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!