Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

União Africana autoriza envio de soldados de paz ao Burundi

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) autorizou o envio de uma força de paz ao Burundi, onde o aumento da violência levou o país à beira da guerra civil.

A decisão de mobilizar a Missão Africana de Prevenção e Proteção no Burundi (MAPROBU) foi adotada durante a reunião ontem do Conselho de Paz e Segurança da instituição pan-africana. O encontro foi presidido pelo Burundi, país que ocupa a presidência rotativa do organismo da UA e que rejeitou o envio de tropas, segundo as mesmas fontes.

No entanto, a UA pode enviar tropas ao invocar uma cláusula que permite mobilizar uma força de paz perante situação de genocídio ou crimes de guerra mesmo sem o consentimento do país.

A UA advertiu ontem que não permitirá “outro genocídio” no continente, em alusão à deterioração da segurança no Burundi, onde a ONU teme que a situação degenere rumo a massacres em grande escala após os assassinatos registrados nos últimos meses. “É necessária uma ação urgente para parar os assassinatos”, alertou o Conselho de Paz e Segurança da UA ontem, através da conta oficial no Twitter.

Em Abril deste ano teve início uma série de protestos violentos depois que o presidente Pierre Nkurunziza anunciou a intenção de concorrer às eleições pela terceira vez, o que é proibido pela Constituição do país. As eleições ocorreram e Nkurunziza ganhou o pleito em Julho com 69% dos votos, resultado que a comunidade internacional não reconheceu pela falta de garantias durante sua realização.

Pelo menos 400 pessoas foram assassinadas no Burundi desde 26 de Abril, embora se calcule que o número real de mortos seja muito maior, e mais de 220 mil se viram obrigadas a abandonar o país, segundo o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al-Hussein.

A onda de violência arrasta o país a um conflito que alguns qualificam como étnico, embora a oposição afirme que estão morrendo burundenses das duas tribos maioritárias, hutus e tutsis.

A história do Burundi foi sacudida pela violência étnica, incluindo dois factos qualificados como genocídios: o massacre de hutus pelo exército dominado por tutsis em 1972 e o assassinato em massa de tutsis por hutus em 1993.

Ambas as etnias protagonizaram o genocídio de 1994 na vizinha Ruanda, onde cerca de 800 mil pessoas, segundo números da ONU, foram assassinadas, a maioria da etnia tutsi.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!