Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Um show entre o êxito e o fracasso

Um show entre o êxito e o fracasso

O músico moçambicano Caetano Do Carmo actuou no domingo, 15 de Dezembro, num concerto que, tendo decorrido no espaço M’buva e de acesso livre, possibilitou ao artista expressar um apelo que se confunde com um direito humano natural: “Deixem-me sonhar…!” No entanto, “mantendo tudo o resto constante” – aqui está um princípio da economia – há vezes que nem sempre percebemos as razões do (nosso) sucesso ou fracasso. O ‘show’ de Do Carmo esteve entre o êxito e o fracasso. Saiba as razões…

O tempo que separa o penúltimo concerto do músico moçambicano, oito anos, com o realizado no domingo passado, 15 de Dezembro, é longo. Por isso, para quem o conhece, ou acompanha a sua carreira, muito em particular os seus admiradores, tê-lo de volta aos palcos devia ser uma experiência marcante.

A relação entre ídolos e admiradores – com enfoque para a área da música – quando barrada pelos entraves do tempo gera nostalgias. Aquele evento tinha esse sentido. Representava o encontro ou o reencontro entre, primeiro, Do Carmo e os seus colegas músicos, com quem não interagia artisticamente há anos. Segundo e último, a “reconciliação” entre o artista e o público que – ao longo de duas semanas – foi bombardeado por cartazes publicitários apelando a sua presença no espaço M’buva, algures no bairro do Aeroporto.

Embora sem todo esse conhecimento, quando chegámos ao local para o qual nos dirigimos a fim de reportar sobre o concerto, fizemos o ritual de sempre: procurar o alinhamento musical, a fim de pensar na provável narrativa que o artista propõe – os concertos são um intercâmbio que se trava numa relação dialógica entre fazedores de arte e os seus consumidores –, bem como perceber, sob o ponto de vista da estrutura do cenário do palco e da plateia, até que ponto a interacção podia se efectivar.

Havia-se alinhado 12 músicas com temas sugestivas, sobretudo porque a maior parte possui uma profunda relação com o contexto sociocultural e política que, actualmente, se vive no país.

Sem inteligibilidade

Pare de matar, Liberty, Nova geração, Hope, Spy, Rosy, Naná, Sunday morning, Tofo, Larry Lee, O evento e Feeling são os temas que se nos aguardavam para escutar sob o ponto de vista musical. Música ritmada. Um Jazz.

Fazendo-se uma reconstrução social do tema da primeira composição, Pare de matar, diríamos que estamos diante de um alerta, uma chamada de atenção para que os promotores do negócio da guerra e das demais situações que, ceifando a vida humana, em nada dignificam o Homem, reflictam na possibilidade da mudança para o melhor.

Mas isso é só uma construção social (nossa) porque – por causa da ausência da inteligibilidade, esta capacidade de o nome nos induzir ao objecto – ficámos com a impressão de que nós é que insistimos com a ideia de quando se invoca um substantivo, o objecto que se nos apresenta tem de ser exactamente o referido.

O vacilo da perceptibilidade em relação à composição Parem de matar – resultante, provavelmente, de alguma deficiência dos nossos sentidos – fez com que, para nós, sob o ponto de vista da narrativa que esperávamos que se nos apresentasse, o concerto começasse na segunda música, Liberty.

Nessa composição, pela forma meritória como ela captou a atenção dos presentes, percebeu-se que a música cumpriu a função integração. Fez as pessoas sentirem que estavam num espaço concreto, juntas e ao mesmo tempo. A partir daí percebemos que estávamos a escutar um Jazz tipicamente africano. Um Jazz feito por e para um determinada causa – transformar situações, fazê-las evoluir para o melhor, a fim de gerar aquele bem-estar que se precisa.

Se no concerto Deixem-me sonhar, o tema Parem de matar tivesse sido bem-sucedido, dentro dos critérios apresentados, teria havido um casamento perfeito com a ideia da Liberdade patente na segunda música – Liberty.

Uma declaração de amor

Nas sociedades contemporâneas, os concertos musicais (ou os eventos culturais no genérico) confundem-se com “workshops”, em que os artistas e o público dialogam e trocam experiências. Portanto é essencial que haja acções e reacções para que se produza a retroacção e o conhecimento. E este concerto, porque rico em dedicatórias (houve música dedicada a Zé Pires, ao filho de Do Carmo, incluindo a sua esposa) era suposto que as pessoas se tivessem envolvido nesse encontro – o que não aconteceu. O Público foi apático.

Por exemplo, apesar de haver muitos elementos que contribuem para torná-lo objectivo – o que é impossível – na música Nana, que se nos apresentou como uma declaração de amor, de marido para mulher, a compreensão que fica é que o amor é muito subjectivo. A forma muito particular com que Nana – enquanto música – reconstrói e transmite tal sentimento nobre, torna-o muito diferente. Também, e mais uma vez, faltou a inteligibilidade.

O concerto

Pela ausência do “feedback” e do envolvimento activo do público, acabou por se produzir um concerto que se confunde com o que acontece quando uma pessoa, na sua casa ou no carro, toca um disco do seu músico favorito para escutar as obras. Nessa situação não existe a comunicação – entendida como troca de experiências – só há uma transmissão linear de informação.

De uma ou de outra forma, embora se reconheça a maturidade dos instrumentistas na execução – o baterista Stélio Zoé, o saxofonista Abacilar, o guitarrista Dodó, o teclista Figas bem como o baixista Nené –, em Deixem-me sonhar faltou uma narrativa, com todas as nuances inerentes. Por isso, quando o evento terminou o público não se apercebeu de onde saiu e onde chegou.

De qualquer modo, para um artista que ficou oito anos sem actuar, tendo realizado um ensaio de apenas uma semana, enfrentar um palco e ter uma reacção do público similar a que se reporta é uma experiência boa. O próximo concerto, espera-se, melhor preparado, está agendado para o mês de Março de 2014.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!