Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade Editorial: Um Presidente “free lancer”

A categoria de free lancer é inerente à profissão jornalística, e não só, segundo os cânones do ramo, para identificar o jornalista, neste caso, que, não tendo um contrato empregatício com uma instituição de comunicação social, produz e vende as suas notícias a qualquer órgão. A priori o jornalista não tem compromisso com ninguém e não deve satisfações a qualquer entidade, termos em que, pode escrever quando quiser e deixar de escrever caso a sua consciência ordene.

É mesmo um funcionário livre. Mas não é dos jornalistas free lancer que nos pretendemos debruçar, mas das práticas à moda free lancer que tendem a ser adoptadas pelo actual Presidente da República Armando Guebuza. O seu modus operandi é, por maioria de razão, mesmo de um free lancer.

O Presidente da República conseguiu a proeza de levar o país à beira de um desespero e descontentamento generalizado, de que não há memória. Introduziu, de forma genial e com sucesso, uma estratégia de governação insuflada de falta de estratégia. O fruto dessa mesma estratégia não podia ser mais aterrador para o país.

Falta-nos tudo como país porque carecemos de uma liderança esclarecida. O povo hoje não tem transporte, não tem emprego, não tem comida, hospitais e muito menos água potável. Os dados dos nossos repórteres, diferentemente daquilo que dizem as estatísticas mentirosas do Governo, mostram que há lugares onde a água é um luxo e municípios que parecem autênticos bairros de lata. Isto só pode ser resultado de um país governado em regime free lancer.

Em nenhum momento o Presidente se dignou- esclarecer aos cidadãos as razões desta desgraça que nos abraça de forma eloquente. E não vamos criar teorias para explicar esse vazio de responsabilização, pois está explicada. Os free lancers não prestam contas a ninguém senão à permanente preocupação com o seu bem-estar.

O free lancer move-se pelo seu bolso. Enquanto os seus bolsos estiverem saudáveis, tudo o resto é acessório. É exactamente este o roteiro de vida que vivemos hoje. Estamos nas mãos de um free lancer. O free lancer, tal como dissemos, não tem contrato com qualquer entidade, razão pela qual não admira a ninguém que o Chefe do Estado não se recorde de um contrato social que o Estado deve ter para com os seus cidadãos que se resuma na provisão de serviços mais elementares. O Estado simplesmente deixou de existir para os cidadãos e tornou- -se uma vaca leiteira de um clã que prega o espólio.

E como um bom free lancer, o Chefe de Estado está muito interessado em impressionar o público, daí que não admira a ninguém a sua campanha Unidimensional de promoção da sua própria imagem, que mais se assemelha a um julgamento feudal sem contraditório.

E a Televisão paga pelos nossos impostos está a servir de rampa para tão degradante espectáculo. Degradante porque subverte o mais elementar princípio da lógica. Ou seja: ele mesmo é que se coloca na dimensional posição de avaliado e avaliador. Só quem já se apercebeu da sua incomum impopularidade é que se pode submeter a um exercício tão irracional e de dimensões monumentais, no que a pobreza mental diz respeito.

Estamos entregues, por enquanto, mas temos saída. Dispensemos os serviços do free lancer e arranjemos um funcionário a sério e que se identifique com o projecto desta nossa República que, se depender de nós, ainda pode ser um lugar normal para se viver. O projecto de Moçambique não se compadece com os free lancers!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!