Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Últimos cinco anos foram os mais quentes de que há registo

Os últimos cinco anos foram os mais quentes desde que há registos sistemáticos de temperaturas (meados do século XIX) e os fenómenos meteorológicos extremos, com ondas de calor, furacões, inundações e a subida do nível do mar tornaram-se mais frequentes e intensos nos últimos anos.

O alerta é de um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) que foi divulgado nesta terça-feira em Marraquexe, no segundo dia de trabalhos da cimeira do clima, que está a decorrer até ao final da próxima semana naquela cidade marroquina.

“Acabámos de viver o período de cinco anos mais quente, e 2015 teve o recorde absoluto em termos de calor, mas 2016 já está a caminho de o suplantar e de se tornar o novo recordista”, afirmou o secretário-geral da OMM Petteri Taalas.

Entre os fenómenos extremos com efeitos mais graves registados nestes últimos cinco anos, a OMM cita a seca de 2011- 2012 na região do Corno de África (nordeste africano, que inclui a Somália, Etiópia, Djobouti e Eritreia), que causou 250 mil mortos, ou o tufão Hayan que atingiu as Filipinas em 2013, causando 7800 vítimas mortais e uma devastação que deixou milhares de pessoas sem tecto.

No ano anterior (2012), o furacão Sandy já tinha sido responsável por prejuízos materiais superiores a 67 mil milhões de dólares, sobretudo nos Estados Unidos da América.

Todos estes sinais, diz a OMM, indicam que há hoje um risco 10 vezes maior de ocorrerem fenómenos climáticos extremos e que isso se deve aos gases com efeito de estufa que a civilização industrial acrescentou à atmosfera do planeta em pouco mais de 150 anos.

Essa concentração atingiu em 2015 as 400 ppms (partes por milhão), ou seja, cada milhão de moléculas de ar passou a conter 400 que são de gases que têm efeito de estufa (retêm o calor da radiação solar), o que é outro recorde absoluto – antes da era industrial, esse valor andava por volta de 280 a 300.

Apesar da esperança que o Acordo de Paris representa, as actuais intenções de diminuir as emissões de gases com efeito de estufa no seu âmbito ainda não suficientes para manter o aumento da temperatura média do planeta abaixo dos dois graus Célsius até final do século, o limite que os cientistas consideram prudente para evitar que o clima da Terra entre em rotura.

O que os países propõem nesta altura no âmbito do Acordo de Paris coloca a subida da temperatura em mais de três graus até final do século.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!