Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Turismo e hotelaria: qualidade do serviço degrada-se em Malema

O serviço de turismo, hotelaria e similar prestado nas unidades afins no distrito de Malema regista, actualmente, um dos seus piores momentos, com os utentes a reclamar, sobretudo, a qualidade do alojamento.

E nem o facto de ser o celeiro da província e, quiçá, da região norte parece não estimular os seus gestores no sentido de inverter o nível de precariedade das refeições servidas através do aproveitamento da variada gama de produtos agrícolas existentes na região.

No entanto, os utentes dos serviços de hotelaria e similares não escondem a sua desilusão face a fraca qualidade dos mesmos que tendem a agravar-se nos últimos tempos, segundo apuramos através de alguns contactos, que culpabilizam os gestores das unidades pelo facto de contratarem mão de obra sem o mínimo de experiência no ramo e manifesto desinteresse em aprender.

Um dos utentes contou que esteve hospedado na Pensão Malema e foi um bico de obra para conseguir um quarto. Pois que a empregada de serviço alegava não haver um sequer disponível.

E quando pediu para confirmar as suas alegações, foi confrontado com outra realidade, segundo a qual alguns quartos são reservados para relações sexuais ocasionais a troco de cem meticais por cada hora de ocupação.

E apesar da sua localização estratégica, a Pensão Malema não serve refeições para os seus hóspedes ou outros clientes senão mediante encomenda, e, para o efeito, o interessado deve deslocar-se àquela unidade hoteleira porque não possui um único telefone.

O complexo Mayaka, de referência ao nível de Malema, confronta-se com dificuldades de gestão sobretudo da cozinha, facto que pode ser confirmável quando se pede uma refeição.

No entanto, o gestor da Pensão Malema, Jorge Loieque, alegada que a baixa qualidade do serviço prestado aos utentes está relacionado com a sua descapitalização em consequência da fraca clientela que a sua unidade regista ultimamente.

E explicou que para contornar o dilema, vimo-nos forçados a enveredar por algumas alternativas transitórias enquanto aguardamos pelo financiamento solicitado ao governo.

Ali Antinane, secretário permanente distrital em Malema, prometeu no contacto com a nossa reportagem, fazer o acompanhamento do estágio que as unidades de hotelaria e turismo atravessam, cujas receitas irão, sem dúvida, conhecer maior incremento com a reabilitação da estrada Nampula-Cuamba que deve arrancar brevemente, numa empreitada que vai movimentar centenas de trabalhadores.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!