Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tribunal Supremo angolano ordena soltura de jovens activistas

O Tribunal Supremo de Angola ordenou, quarta-feira, a soltura dos 17 jovens activistas condenados recentemente, em Luanda, a penas de prisão no mediático processo em que são acusados de tentativa de rebelião e associação de malfeitores.

De acordo com uma nota do Tribunal, a decisão responde a um pedido de Habeas Corpus apresentado pelos advogados dos réus, que reivindicavam a suspensão dos efeitos das penas aplicadas em virtude da admissão do recurso por eles interposto contra a sentença.

Após uma apreciação favorável da providência, em sessão realizada terça-feira, “foram emitidos mandados de soltura sob termo de identidade e residência, em nome dos 17 requerentes”, refere o documento.

O julgamento dos 17 jovens activistas durou quatro meses até serem condenados pelo Tribunal Provincial de Luanda, a 28 de Março passado, a penas de dois a oito anos de prisão efectiva acusados de “actos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores”.

Na leitura da sentença, o juiz Januário José Domingos considerou que os réus “formaram uma associação de malfeitores para destituir o Presidente da República e os titulares dos órgãos de soberania e substituir por pessoas de sua confiança”.

“Pretendiam ainda elaborar outra Constituição e formar um governo dito de Salvação Nacional”, disse o juiz, afirmando que o estudo, pelos réus, de estratégias para executar o seu plano “acobertado no curso de activismo” sobre ferramentas para destruir o ditador e evitar nova ditadura” e a concepção de uma lista nominal dos membros do projectado Governo de Salvação Nacional “são elementos típicos constitutivos do crime de atos preparatórios”.

Na altura, a defesa apresentou recurso para o Tribunal Supremo por discordar das condenações e pediu o efeito suspensivo das mesmas. Apesar de aceitar o recurso, o juiz da causa indeferiu a suspensão das penas, mantendo os presos na cadeia “por terem merecido pena maior”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!