Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Três Exposições, Três artistas e 45 obras

Durante três dias Maputo foi a sala de honra para a inauguração de três exposições individuais de, igualmente, três artistas plásticos moçambicanos. O evento decorreu – separadamente – em vários locais da capital, e teve início no dia 27 de Janeiro, no Espaço Xilembene com a apresentação da obra do jovem pintor Arcanjo Madeira “Do Campo À Cidade” seguindo- se Lurdes Silva e Tomo.

Durante a mostra de 15 obras de Madeira @Verdade viajou pela história de Nhassuvila Dango “uma personagem que vive os grandes dramas dos homens que lutam pela sua sobrevivência, ante grandes obstáculos da vida. Nhassuvila Dango, a dado momento, sente-se saturado pela dimensão do campo e nasce nele o desejo de rumar à cidade. A cidade-sonho tem as suas vicissitudes e contratempos, e revelou-se ser nada mais que um refúgio à sua rotina miserável”, explica o artista.

Nesta primeira intervenção pública, Arcanjo Madeira mostrou-se emocionado e contou com a presença da sua família e amigos.

Dia 28 foi a vez de Lourdes Silva apresentar as suas 15 obras na Associação Moçambicana de Fotografia. A única mulher destes três dias artísticos apresentou o projecto “O Espelho” que, segundo a artista “aborda vários reflexos de Moçambique e confesso que “o espelho” que usei não foi sempre o mesmo. E ainda que fosse? Um espelho é neutro? Não são neutro o olhar, o pensamento e a acção do Homem!”, avançou.

Para apresentar a obra do experiente Tomo a organização escolheu a Casa da Cultura do Alto-Maé, que recebeu os quadros do artista plástico. Num ambiente ‘causy’ “Percurso” que se debate num “acordardormir, ou um dormir-acordar, tal como o dia e a noite que o dia tem.

Este meu conceito está ligado, como é natural, à vida; a razão de ser e/ou da existência humana e particularmente da minha”, contou. Em suma Tomo assumiu que “é apenas um acompanhante da vida, um ´submisso´ às manifestações da Natureza”, concluiu.

O projecto destas três mostras vai estar patente no Espaço Xilembe, na Baixa, na Associação Moçambicana de Fotografia e na Casa da Cultura. O público poderá visitá-lo de segunda a sexta-feira, das 10:00 às 18:00 horas, e aos fins-desemana, das 10:00 às 2000, até 13 de Fevereiro.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!