Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Trabalhadores da empresa de segurança SOS em greve

Dezenas de trabalhadores da empresa de segurança privada SOS, amontinam-se em frente ao edifício sede, na Cidade de Maputo.

Os trabalhadores da empresa de segurança privada SOS, iniciaram a greve, última Terça-feira. São dezenas de pais e chefes de família que paralisaram as suas actividades para exigir ao patronato o pagamento do salário do mês de Dezembro antes da quadra festiva.

Os grevistas reclamam porque há três anos que passam as festas do Natal e de fim do ano, sem os seus ordenados devido ao pagamento tardio dos mesmos. Segundo os trabalhadores a remuneração do mês de Dezembro é paga em Janeiro. A mesma situação ocorre em relação aos outros meses ano. “Desde 2008 que passamos a quadra festiva sem salário.

“A empresa sempre paga-nos no mês seguinte entre os dias 1 e 10, mas nem sempre cumpre, é normal recebemos mais tarde que isso”- disse Rui Feraz, responsável pelo Comité Sindical da SOS, para a área de conflitos laborais.

Pedro Vitorino presta serviços como segurança a empresa SOS há dez e aufere 2996 meticais mensalmente. Ele aderiu a greve porque não deseja passar o mês de Dezembro sem vencimento, “sinto-me lesado com esta situação, várias vezes vi meus vizinhos a festejarem, enquanto minha família padecia. Os meus filhos são os que mais sofrem com isso.” – disse.

Outra questão que preocupa os funcionários da SOS, é a falta de assistência jurídica a alguns trabalhadores que se encontram presos acusados de envolvimento em crimes e os despedimentos frequentes na empresa.

“Aqui existe perseguição de trabalhadores, dentro de um mês chegam a despedir cinco pessoas. Temos alguns colegas que estão encarcerados nas cadeias acusados de cometer crimes, mas a empresa não ajuda. E em caso de soltura, a pessoa perde emprego” – comentou Agostinho Banze, secretário do comité sindical da SOS.

Agostinho Banze disse que o facto que está a acontecer na SOS e do conhecimento do Ministerio do Trabalho. Também acrescentou que o comité sindical entrou com contacto com a direcção da empresa de modo a discutir os problemas que afectam a classe trabalhadora mas de nada adiantou.

Os manifestantes afirmaram que pretendem continuar com a greve caso não haja um consenso com o patronato. Estes ameaçam não permutar os colegas que estão nos postos de trabalho nos próximos dias.

As nossas tentativas para o @Verdade ouvir a opinião da direcção da empresa, em relação ao sucedido de nada valeram, havendo recebido a informação de que o administrador da SOS, estava ausente.

A empresa de Segurança Privada SOS, emprega aproximadamente 800 trabalhadores e possui delegações, na cidade de Maputo, Matola, Tete e Nampula.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!