Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tete deverá ter porto seco em Moatize

O distrito de Moatize, em Tete, deverá ter um porto seco dentro dos “próximos anos” para acondicionamento da produção mineira de várias multinacionais destinada à exportação.

 

 

Estudos para determinação dos custos do empreendimento já se iniciaram, segundo Albertina Tivane, secretária permanente de Tete, acrescentando que também o investimento ainda não está garantido, “mas estamos determinados a ter porto seco em Moatize onde já localizámos o sítio para as obras”, vincou Tivane, falando esta segunda- feira, em Maputo, ao Correio da manhã.

É em Moatize onde a companhia mineira brasileira Vale SA investiu cerca de 450 milhões de dólares norte-americanos para produção de carvão mineral, a partir de 2011, destinado à exportação pelo porto da Beira, na província central de Sofala.

Em 2012, a produção desta companhia poderá corresponder a 8% do Produto Interno Bruto (PIB), prevendo- -se, a partir de 2015, que as royalties e impostos venham a constituir 15% da receita pública moçambicana.

Kapenta, malambe & maçanica Entretanto, estão ainda naquela província em curso iniciativas do Governo provincial local para o registo do peixe kapenta, bem como das marcas de maçanica e malambe, dois tipos de fruta tropital mais produzidos naquela região e que estão a ser exportados para África e outros continentes, “mas sem as patentes identificativas da sua origem”, realçou a secretária permanente do Governo da província de Tete.

Um outro projecto de vulto em esboço naquela região diz respeito à montagem de laboratórios para análises de solos, ar e água, segundo igualmente Albertina Tivane, falando ao jornal à margem de um seminário do Banco Mundial (BIRD) sobre perspectivas para os pólos de crescimento em Moçambique.

O seminário foi aberto pelo Primeiro-Ministro, Aires Ali, e destinou-se à apresentação de potenciais pólos de desenvolvimento dos Corredores da Beira, Maputo e Nacala com base na dimensão dos investimentos privados autorizados, principais desafios e mecanismos existentes para interacção entre os sectores privado e público e programas de desenvolvimento de parcerias.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!