Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

TDM/mcel procedem à chamada de credores

As empresas TDM-Telecomunicações de Moçambique e mcel-Moçambique Celular procederam, quarta-feira, 24 de Outubro, em Maputo, à chamada de credores, com o objectivo de proceder à conciliação dos valores dos créditos por eles detidos, a ser assumidos pela nova entidade resultante do processo de transformação e fusão em curso, que deverá ser concluído ainda este ano.

Trata-se de uma fase derradeira do referido processo, que conduzirá à reconciliação e fixação das dívidas reais que a mcel e a TDM assumirão perante os credores, havendo, por isso, a necessidade de confrontar os lançamentos das dívidas e fixá-las.

De acordo com Mário Luís Albino, Administrador Financeiro da TDM-mcel, que conduz esta componente do processo de fusão entre as operadoras, torna-se “necessário conciliar os números, porque nem sempre o valor da dívida escriturada nas duas operadoras representa a dívida real que deve transitar para a nova entidade”.

Aditou que “ se enceta esta chamada de credores para, com cada um, fixar os valores das dívidas que vão ser integralmente assumidas pela nova empresa que resultará da fusão”, realçou o administrador, ajuntando que se trata de uma questão crucial para salvaguarda dos interesses dos credores e subsequente viabilização da fusão.

Numa primeira fase, conforme explicou Mário Luís Albino, realizar-se-ão encontros com instituições bancárias credoras, devido à sua dimensão, seguindo-se sessões com os grandes credores, cujas dívidas estão acima de 40 milhões de meticais e, por fim, reunir-se-à com os credores de pequena dimensão.

Enfatizou que “todos os credores serão tratados igualmente, independentemente da sua dimensão, pois terão oportunidade para apresentar os créditos reclamados, que, após verificação nos respectivos livros de contabilidade, registem instrumento próprio, serão assumidos pela nova entidade resultante da fusão”.

Finalmente, adiantou que “com a implementação dos projectos de modernização da infraestrutura da rede móvel e da rede nacional de transmissão (Backbone), incluindo as redes metropolitanas, a nova entidade ficará dotada de capacidade e robustez financeira para fazer face e honrar escrupulosamente os compromissos assumidos pelas duas empresas em processo de fusão”, concluiu.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!