Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tanques sírios bombardeiam Hama pelo segundo dia; 4 pessoas morreram

Tanques sírios bombardearam esta segunda-feira, pelo segundo dia consecutivo, a cidade de Hama, cenário de um massacre contra dissidentes em 1982. Pelo menos quatro civis morreram no bairro residencial de Hamidiyah, segundo moradores. Agora já são 84 mortos pela repressão militar a protestos antigoverno na cidade do centro do país, onde o pai e antecessor do presidente Bashar al Assad combateu com violência, há 29 anos, uma rebelião armada da Irmandade Muçulmana, com saldo de milhares de mortos.

“Ninguém pode sair da cidade porque as tropas e a ‘Shabbiha’ (milícia pró-Assad) estão a atirar aleatoriamente com metralhadoras”, disse à Reuters, por telefone, um morador que se identificou como Raed.

Outros moradores disseram que entre os mortos esta segunda-feira estava Khaled Adel al Sheikh Mossa, cuja casa foi atingida por um míssil no começo da manhã. O telhado da outra casa desabou, e uma farmácia foi destruída. Paralelamente, ativistas disseram que tanques sírios invadiram a cidade de Albu Kamal esta segunda. Os incidentes coincidem com o início do jejum obrigatório durante o mês islâmico do Ramadan.

A chanceler alemã, Angela Merkel, somou-se ao presidente dos EUA, Barack Obama, nas críticas à repressão contra os protestos na Síria. “Ela pede explicitamente ao presidente Assad que contenha a violência contra o seu próprio povo imediatamente”, disse o porta-voz governamental Christoph Steegmans.

A União Europeia estendeu esta segunda as sanções contra o governo do presidente Assad, com a imposição de congelamento de ativos e proibições de viagens em mais cinco pessoas associadas com a repressão aos dissidentes. A aprovação formal das medidas veio após o bloco ter acusado a Síria de um “massacre” indiscriminado de civis na cidade de Hama no fim de semana. A chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, alertou contra mais medidas “caso a liderança síria insista no seu caminho atual”.

Hama, cidade de maioria sunita com 700 mil habitantes, passou um mês cercada pelas forças de segurança de Assad, dominadas pela seita minoritária alauíta, antes da ação militar do domingo. Durante o Ramadan – quando os muçulmanos jejuam no horário diurno -, existe um maior afluxo de fiéis às mesquitas à noite, e mais protestos podem ocorrer.

CONSPIRAÇÃO

Em carta aos militares, Assad disse que a Síria está a enfrentar uma conspiração internacional que visa a criar tensões sectárias e “rasgar a Síria em pequenos Estados que compitam para satisfazer aqueles que trabalharam para fatiá-la”.

A agência estatal de notícias da Síria disse que os militares entraram em Hama para eliminar grupos armados que aterrorizavam os cidadãos, uma versão qualificada de “absurda” por um diplomata da ONU em Damasco. A agência disse que oito policias foram mortos ao “confrontar grupos terroristas armados” em Hama.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!