Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Suposto mentor do genocídio de Ruanda tem pena reduzida

Um tribunal da Organização das Nações Unidas (ONU) reduziu nesta quarta-feira a 35 anos de prisão a pena do ex-coronel apontado como mentor do massacre de 800 mil pessoas durante o genocídio de Ruanda. Theoneste Bagosora, de 70 anos, havia inicialmente sido condenado à prisão perpétua.

Ele continua sendo considerado culpado por crimes contra a humanidade, mas a corte de apelações do Tribunal Penal Internacional para Ruanda concluiu que havia dúvidas quanto algumas das condenações relacionadas a uma amostra representativa de massacres e homicídios específicos.

Os promotores argumentavam que Bagosora, então chefe de gabinete do Ministério da Defesa, assumiu o controle político e militar do país centro-africano depois da morte do presidente Juvenal Habyarimana, vítima de um atentado aéreo em 1994. Em apenas cem dias naquele ano, tropas e milícias trucidaram 800 mil pessoas, membros da minoria étnica tutsi e moderados da maioria hutu.

O general canadiano Romeo Dallaire, então chefe das forças de paz da ONU em Ruanda, descreveu Bagosora como mentor do genocídio e disse que o ex-coronel ameaçou matá-lo.

A corte também reduziu a pena de outro réu, o coronel Anatole Nsengiyumva, de 61 anos. A prisão perpétua foi transformada em uma sentença de 15 anos de prisão. Nsengiyumva foi solto por já ter concluído a nova pena.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!