Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Subida do caudal do Zambeze destrói culturas

Vastas áreas de culturas alimentares desenvolvidas a jusante do rio Zambeze, Centro de Moçambique, estão completamente inundadas devido a subida do caudal daquele curso de água nos últimos dias. Trata-se de culturas desenvolvidas nos distritos de Tambara, Mutarara, Chemba, Caia e Mopeia, nas províncias de Manica, Sofala, Tete e Zambézia, que sofreram os efeitos da abertura de comportas da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB).

Ainda esta última terça-feira, a HCB previa um aumento das suas descargas de 2.500 para cinco mil metros cúbicos por segundo. Citado pelo jornal “Notícias”, o delegado do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) em Sofala, Luís Pacheco, disse que as descargas em curso se enquadram nas medidas de segurança em relação a capacidade de encaixe da albufeira daquela infra-estrutura hidráulica.

Com efeito, a HCB está agora a receber um elevado volume de água proveniente dos países vizinhos localizados a montante com destaque para a Zâmbia e Angola. O problema resulta de alterações climáticas que são responsáveis pela mudança dos padrões da época chuvosa na região austral da África.

Por exemplo, a HCB devia ter feito escoamento de água em grandes quantidades até Março passado, o que não aconteceu porque o pico da precipitação na última época chuvosa aconteceu relativamente tarde em relação ao período habitual. Em Dezembro último, a HCB chegou a libertar três mil metros cúbicos por segundo, tendo provocado inundações nas zonas a jusante do Zambeze.

Na altura, não houve descargas de grandes volumes porque as chuvas aconteceram relativamente tarde nas áreas a montante do rio Zambeze. Contudo, apesar do aumento das descargas, Luís Pacheco considera não haver motivos para qualquer alarme pois o INGC e os governos dos distritos localizados ao longo do Zambeze em Sofala já se encontram em alerta máximo, tendo sido reactivados os Comités Locais de Gestão de Calamidades.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!