Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Soldados franceses foram deliberadamente expostos a testes nucleares nos anos 60

O exército francês expôs deliberadamente seus soldados a radiações durante uma série de ensaios nucleares atmosféricos realizados na década de 1960 na Argélia, segundo um informe militar. Ao colocar militares perto do ponto de explosão, o exército procurava “estudar os efeitos psicológicos produzidos pela arma atômica no homem”, relata o primeiro tomo do “Informe sobre os testes nucleares franceses de 1960-1965”, arquivado como secreto e do qual a AFP obteve uma cópia.

Ouvido pela AFP, o ministro da Defesa, Hervé Morin, afirmou que o governo informará “com total transparência” sobre o nível de exposição à radiação depois de cada ensaio. O informe, elaborado por oficiais franceses seguramente em 1998, isto é, depois que a França deixou de realizar provas nucleares (em 1996), faz referência, em especial, ao último teste realizado no Saara argelino, no dia 25 de abril de 1961, quando a Argélia ainda era colônia francesa.

Pouco depois do lançamento, foram feitas manobras para enviar cerca de 30 soldados à área contaminada. Alguns se protegeram em trincheiras individuais, cavadas a 800 metros do lugar de impacto, enquanto outros se aproximavam desse ponto em veículos 4×4. Usavam botas, luvas e máscaras de combate. O objetivo era “estudar os efeitos fisiológicos e psicológicos produzidos sobre o homem pela arma atômica, de modo a se obter elementos necessários para a preparação física e a formação moral do combatente moderno”, diz o documento.

As manobras deveriam permitir, também, “realizar um programa de instrução sobre as medidas práticas a serem tomadas pelos combatentes para por-se em guarda, proteger-se e descontaminar-se”, diz o texto. Depois da explosão, os resultados constatados assinalaram “a ausência de queimaduras visíveis, efeitos mecânicos praticamente nulos, um nível de radiatividade elevado”.

“Parecia, segundo estes resultados, que a 800 metros do ponto zero e além da zona de queda do pó radiativo, os combatentes estariam fisicamente aptos para continuar em combate”, acrescenta o documento. O texto reconhece, no entanto, que “estando na ofensiva, se a infantaria fosse chamada a combater numa zona contaminada (…) a vestimenta especial não proporcionaria senão uma proteção relativa”.

O ministro Morin recordou que foi aprovada lei de indenização das vítimas desses ensaios, em 2009, indicando que havia exigido “um estudo complementar sobre cada tiro e o nível de exposição correspondente”. “As conclusões serão públicas”, anunciou Morin.

A França realizou 210 testes nucleares; o primeiro foi no Saara, em 1960, e o último, em 1996, na Polinésia francesa. Milhares de veteranos, que teriam sido contaminados, lutam pelo reconhecimento dos prejuízos causados à sua saúde.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!