Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sofala: ouro tira região de Matenga do anonimato

A zona de Matenga, no distrito de Nhamatanda, Província de Sofala, Centro de Moçambique, tornou-se numa zona privilegiada e de referência obrigatória mercê da descoberta de Ouro, que actualmente é extraído em moldes artesanais por numerosos garimpeiros.

A edição de segunda-feira do “Diário de Moçambique”, escreve que apurou o facto junto do Administrador de Nhamatanda, Sérgio Moiane, à margem da visita, terminada há dias, do Governador Carvalho Muária que, entre outras acções, inaugurou uma unidade sanitária na região de Matenga e visitou algumas pedreiras.

Segundo Moiane, a extracção e posterior venda do Ouro está a enriquecer alguns cidadãos, parte dos quais já compraram viaturas e moageiras, melhorando assim as suas condições de vida e dos seus dependentes.

Outros cidadãos já exploram complexos turísticos em Nhamatanda. Antes de Matenga, o Ouro foi descoberto, pela primeira vez, na região de Macrococho.

Outras zonas com este minério são Siluvo e Mafufo, naquele mesmo distrito. Domingos Calicoca, ligado à matéria, disse que no distrito de Nhamatanda existem mais de mil garimpeiros, estando o número a crescer diariamente, na sequência da pesquisa e descoberta daquele precioso minério.

“Estamos a incentivar os garimpeiros para criarem associações”, garantiu Calicoca, explicando que a medida visa permitir que sejam contabilizadas as quantidades exactas do Ouro que é extraído e vendido.

O entrevistado reconheceu, no entanto, que as cifras que têm sido registados não correspondem ao real, visto que muitos garimpeiros encontram-se espalhados por várias regiões.

“Por isso, precisamos das associações para nos ajudar a obter dados exactos”, referiu a fonte, acrescentando que só no primeiro trimestre deste ano os garimpeiros arrecadaram 990 mil meticais, resultantes da extracção e venda de 900 gramas (cada grama custa 1.100 meticais – aproximadamente 37 USD).

Um relatório – informe apresentado pelo Administrador Sérgio Moiane, na sessão extraordinária orientada pelo Governador Carvalho Muária, refere que, no ano passado, foram extraídos 9.179 quilos de Ouro, tendo o crescimento se situado em 27,5 por cento, comparativamente a 2009.

Poluição dos rios

O Administrador de Nhamatanda observou que, embora o Ouro esteja a trazer riqueza para os cidadãos, os garimpeiros estão a poluir os rios, em consequência das técnicas de extracção que usam. Para Moiane, esta é uma grande preocupação, porque as águas dos rios estão a ficar poluídas.

“Estamos a sensibilizá-los para que em vez de lavar nos rios, façam o contrário, isto é, carregando a água para lavar fora dos rios”, disse a fonte. Os garimpeiros de Matenga lavam o Ouro no rio Mucombezi e os de Siluvo e Mafufo fazem-no no rio Muda. Os de Macrococho lavam o minério no rio Mussicavo. Para além destes, existem outros rios que estão a ser poluídos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!